Só ditaduras têm prisão incomunicável: Lava Jato quer barrar visitas a Lula

Lula

Desde seu surgimento, a operação Lava Jato vem cometendo arbitrariedades. Dentre vazamento de áudios, prisões ilegais, conduções coercitivas, corrupção, invenção de provas e chantagem, a operação foi patrocinada pelo imperialismo para dar um golpe no país, destruindo as empresas nacionais, prendendo grupo políticos não alinhados e assim por diante, passando por cima de qualquer garantia constitucional.

Agora, após a prisão de Lula em Curitiba na superintendência da Polícia Federal, a Lava Jato está isolado Lula, proibindo-o de ter visitas. A força-tarefa da Operação se posicionou contra a visita da legítima presidente Dilma Rousseff ao líder político de seu partido. Isso é claramente uma medida ditatorial; apenas nos cárceres mais fechados e repressivos, o prisioneiro não tem direito a nenhum tipo de relação com o pessoal do exterior.

Isso fica ainda mais frustrante quando se sabe que o prisioneiro é uma liderança popular da envergadura de Lula, e comprova que a operação tem caráter político, e que Lula é um perseguido e prisioneiro político. O MPF com seu caráter inquisidor acredita que tem o direito de decidir sobre um direito fundamental de todo cidadão. Isso apenas reforça o caráter nefasto de todas as instâncias e braços do judiciário golpista. Por isso e outras razões, deve-se exigir imediatamente o fim da operação Lava Jato e liberdade para todos os presos políticos, como Lula, Dirceu e tantos outros que não tiveram seus direitos respeitados.