Ocupar, ficar em casa não!
Trabalhadores querem lutar, mas política capituladora da direção sindical abre caminho para a derrota. É urgente que os trabalhadores aprovem a ocupação da fábrica
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Trabalhadores renault (1)
Trabalhadores querem luta e aprovam continuidade da greve, sindicalista manda trabalhadores pra casa | DCO

A greve da Renault em São José dos Pinhais PR que foi iniciada no dia 22 de julho, após a multinacional decidir por fechar o turno da madrugada e gerar a demissão de 747 trabalhadores, entra pelo 13° dia. As demissões foram uma forma de retaliação dos patrões diante da recusa dos trabalhadores de aceitarem a proposta absurda de corte de salário.
E com a decisão da assembleia desta segunda feira 3 de Agosto, onde os trabalhadores aprovaram a continuidade da greve, chegará possivelmente aos 20 dias de paralização.

A greve e a mobilização foi o caminho encontrado pela categoria para barrar as demissões. É necessário ampliar imediatamente a mobilização unindo demitidos e não demitidos numa mobilização real contra os capitalistas. Mostrando para outras categorias, de que é necessária uma mobilização real. Que ficar em casa e aceitar todas as imposições dos patrões, que usam a crise como desculpa para atacar ainda mais os trabalhadores, vai levar à degradação ainda maior das condições de vida dos trabalhadores e suas famílias.
No entanto, a política capituladora e pelega da direção sindical dos Metalúrgicos de Curitiba e Região (SMC) dirigida pela Força Sindical organiza a derrota da categoria. Após os trabalhadores aprovarem por unanimidade a continuidade da greve o presidente do Sindicato, conhecido por Butka, simplesmente orientou os trabalhadores a irem para casa e retornarem apenas na próxima segunda feira. Essa política trabalha no sentido de quebrar a greve, pois os trabalhadores, em primeiro lugar ficarão em casa, recebendo todo tipo de pressão dos patrões pelos meios de comunicação e redes sociais, que já anunciam a possibilidade de mais mil demissões.
Em segundo lugar, e ainda mais importante, deixarão de ampliar a mobilização com passeatas, panfletagens junto a população, numa greve ativa, que por si só já seria limitada, pois para de fato poderem derrotar os capitalistas franceses, os trabalhadores para além da greve tem que organizar e realizar a ocupação da fábrica até o atendimento de suas reivindicações. Esta é a possibilidade de vitória, ocupar a fábrica, para isso os trabalhadores tem que passar por cima da capitulação da direção sindical. É preciso uma medida de força dos trabalhadores.
A necessidade de ocupar a fábrica é resultado da intransigência dos patrões. Eles não querem readmitir os trabalhadores porque tem o respaldo do governo Bolsonaro, um governo serviçal dos capitalistas. Eles querem forçar o trabalhador a aceitar a medida criminosa do rebaixamento salarial.
A ocupação da fábrica é uma medida completamente democrática diante das demissões. Nenhum trabalhador deve sofrer para que os capitalistas continuem com seus altos lucros.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas