Só 2 anos depois do crime, começa processo contra PMs que assassinaram mulher negra em Ribeirão Preto

luana-barbosa-dos-reis

Nesta última quarta-feira, 18, aconteceu no Tribunal de Justiça de São Paulo a primeira audiência de instrução sobre a morte de Luana Barbosa dos Reis, morta há dois anos por três policiais militares durante uma abordagem em Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

Luana havia saído de casa com o filho quando foi abordada pelos PMs. Ela se recusou a ser revistada pelos policiais e exigiu a presença de uma policial feminina para fazer a abordagem. Os policiais então agrediram Luana com socos e tapas. Após fazer a denúncia da violência, Luana foi para casa e começou a passar mal. Ela morreu três dias depois em decorrência de um traumatismo craniano causado pelas agressões.

A morte de uma mulher negra nas mãos da Polícia Militar é uma expressão do modus operandi dos órgãos de repressão do Estado capitalista. A PM, como parte do aparato repressivo do Estado, leva a cabo uma politica de extermínio contra o povo negro, o caso de Luana e um dentre milhares de casos semelhantes, onde as vítimas são suspeitos porque são negros.

Contra a brutal repressão contra o povo imposta pela PM e necessário lutar pelo fim da polícia militar ou seja, a completa dissolução desse corpo de assassinos.