Skripals podem ter sido sequestrados pelas autoridades britânicas

Skripals serveimage

O ministério das relações exteriores da Rússia declarou não descartar a possibilidade de que os Skripals estejam retidos no Reino Unido contra suas vontades. Segundo as autoridades daquele país, Sergei Skripal, 66 e sua filha Yulia Skripal, 33 foram envenenados por uma substância química de altíssima letalidade chamada Novichok. O governo britânico prontamente acusou o governo russo, pessoalmente o presidente Vladmir Putin, de responsável pelo envenenamento.

Desde o início o caso tomou contornos bizarros. Em apertado resumo:

1. Logo após o ocorrido, antes do início das investigações a Primeira-Ministra, Theresa May, diante do parlamento apontou o presidente da Rússia como responsável sem apresentar ou sequer mencionar quais elementos permitiram que essa conclusão fosse tirada.

2. A participação do governo russo na investigação foi recusada de plano.

3. Foi negado acesso dos serviços diplomáticos da Rússia aos Skripals apesar de ambos serem cidadãos russos.

4. Nenhuma iniciativa de contato com o governo russo foi tentada, ao contrário as iniciativas deste último neste sentido foram rechaçadas.

5. Devido à altíssima letalidade do agente químico apontado como responsável pelo envenenamento os Skripals deveriam ter morrido imediatamente no restaurante onde se encontravam no momento do envenenamento, assim como as pessoas que se encontravam nas proximidades. Eles não só sobreviveram como já tiveram alta do hospital onde foram tratados.

6. Ninguém exceto as autoridades britânicos viu os Skripals no hospital. Após a alta eles não apareceram em público, seus paradeiros são desconhecidos e as autoridades diplomáticas russas continuam a ter acesso negado a eles. Além disso alegadas declarações deles foram feitas por autoridades desacompanhadas de qualquer documento por eles assinados.

7. Detalhes do estado de saúde dos Skripals não foram tornados públicos. Embaixador da Rússia disse em entrevista coletiva: “Até hoje ninguém viu suas fotos, ninguém ouviu suas vozes, ninguém os viu vivos ou não… é preciso ter certeza de que essas pessoas estão vivas, de que ele esteja bem, de que ela esteja bem e (se eles) disserem, por exemplo, ‘Eu não preciso de sua ajuda’, está bem para nós”.

Além do mistério o caso encerra em si está evidente que alguma coisa está errada com a história que está em contradição com a realidade. Resta saber o motivo ou, mais provavelmente, os motivos que levaram o governo de Sua Majestade a armar uma história tão estapafúrdia. O que é certo é que se trata de mais um sintoma da confusão e descontrole que reina em uma das sedes do capitalismo anglo-saxão.

NOTA: Notícia divulgada pela RT por volta das 15h00 (Brasília) de quarta-feira exibe trecho de breve entrevista de Yulia Skripal. Não foi identificado quem a entrevistou. Nela declara que está bem e que pretende retornar a seu país mas não agora. A matéria acima permanece válida.