Democracia ”híbrida”
Golpe de estado em 2014 derrubou governo nacionalista e instarou uma ditadura no país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tailândia
Luta contra o golpe militar na Tailândia. | Foto: Reprodução.

Um movimento popular na Tailândia exige a saída de Prayut Chan-O-Cha, que está poder desde um golpe em 2014 e legitimado por controversas eleições no ano passado. A iniciativa também pede uma modificação da Constituição, posta em vigor em 2017, durante a junta militar e muito favorável ao exército.

Alguns manifestantes mais radicalizados exigem uma reforma da poderosa e extremamente rica monarquia, assunto tabu até recentemente no país, em que o soberano é protegido por uma das mais severas leis de lesa-majestade do mundo. Eles querem que o monarca não interfira nos assuntos políticos, a abolição da lei da lesa-majestade e que a Coroa devolva seus bens ao Estado – que o governo golpista considera inaceitáveis.

Na quarta-feira (14), mais de 10 mil manifestantes marcharam em direção à sede do governo para marcar o 47º aniversário do levante estudantil de 1973. Centenas de partidários favoráveis à monarquia, que foram saudar o cortejo real, se reuniram ao longo do percurso, fazendo reviver os temores de agitação em um país acostumado à violência política e que viu 19 golpes de estado ou tentativas de golpe desde o estabelecimento da monarquia constitucional em 1932.

”Democracia Híbrida”

A imprensa burguesa internacional fez propagandas eleições neste país caracterizando como ”um voto pelo democracia hibrida”. Ou seja, na Venezuela, onde há eleições normais, o regime de Nicolas Maduro é chamado de ditadura, mas na Tailândia, onde não há eleição eleição ou qualquer tipo de democracia em sentido algum da palavra, haveria ”uma democracia híbrida”.

Num certo sentido, o que aconteceu aqui é semelhante com o que houve no Brasil, com algumas diferenças que explicam também a maior profundidade com que a direita atacou o regime político tailandês.

Na Tailândia, um partido que a BBC, imprensa capitalista porta-voz da burguesia internacional, consideraria como um ”partido populista”, o que deve ser visto como um partido reformista, que procura favorecer setores da burguesia nacional e da população com reformas sociais, adquiriu uma influência enorme no regime político, com o ex-primeiro ministro Thaksin Shinawatra.

Golpes de estado 

Thaksin foi perseguido pela direita e teve que fugir do país em função de acusações de corrupção, pelas quais estava ameaçado de ir a prisão. Mas diferente do que ocorreu no Brasil, ele conseguiu eleger sua irmã, Yingluck, para a função de primeiro-ministro. Ou seja, os militares conseguiram tira-lo da corrida política, com o partido amplamente majoritário, mas não conseguiram derrotar o partido totalmente, então a irmã assumiu o cargo.

Em 2014, no mesmo ano da eleição de Dilma aqui no Brasil, houve o golpe de estado para tirar Yingluc Shinawatra do poder. Desde então, os militares seguiam postergando as eleições, alegando que precisaria consolidar isso, consolidar aquilo, e aquele outro, e então mudaram a constituição e criaram um sistema totalmente fajuto, que eles chamam de ”democracia híbrida”, onde o senado é escolhido, quer dizer, não é eleito.

Os irmãos Shinawatra faziam governos típicos do nacionalismo burguês, com concessões sociais para os mais pobres. Por isso tornaram-se imbatíveis nas eleições, até mesmo sob um ataque intenso e fraudes eleitorais. Por isso sofreram dois golpes militares.

Decreto de emergência

As autoridades tailandesas emitiram nesta quinta-feira (15) um decreto de emergência que proíbe “reuniões de cinco ou mais pessoas”, assim como “mensagens on-line que possam prejudicar a segurança nacional” ou “gerar medo”, declarou Sunsern Kaewkumnerd, um porta-vozes do governo tailandês. Os meios de comunicação foram orientados a não publicar informações que possam comprometer a unidade nacional.

O governo justificou a promulgação do texto, denunciando que as manifestações seriam “contrárias à Constituição” e também tinham o objetivo de impedir um cortejo real. Na quarta-feira (14), milhares de pessoas se reuniram em frente à sede do governo em Bangcoc, para exigir a renúncia do primeiro-ministro Prayut Chan-O-Cha.

Pouco depois do decreto de emergência entrar em vigor, nesta quinta-feira, policiais da tropa de choque esvaziaram o acampamento de manifestantes em frente à sede do governo, onde pretendiam permanecer por dias. Muitos já haviam deixado o local, ainda assim mais de 20 pessoas foram presas, informou o porta-voz da polícia, coronel Kissana Phathanacharoen. Entre os detidos estão Parit Chivarak, conhecido como “Pinguim”, a universitária “Rung” e Anon Numpa, três líderes do movimento, uns dos mais agressivos contra a monarquia, afirmou uma fonte governamental.

Anon Numpa publicou em seu perfil no Facebook que foi levado de helicóptero para Chiang Mai (ao norte). Minha prisão “é uma violação dos meus direitos e a situação é muito perigosa para mim”, escreveu ele. Outros líderes do movimento, incluindo Panusaya Sithijirawattanakul, de 22 anos, conhecida como “Rung”, que também apoia a linha dura, foram presos, de acordo com imagens postadas on-line por ativistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas