Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
go-home
|

Pequim, Prensa Latina – Os embaixadores da Síria, Irã e Namíbia na China ratificaram hoje (13) a solidariedade com a Venezuela, respaldaram os esforços de paz do governo constitucional e pediram ao mundo para se unir contra as ameaças de uma intervenção militar ali.

O representante sírio, Imad Moustapha, denunciou que os Estados Unidos agora pressionam para depor o presidente legítimo Nicolás Maduro, tal e como tentou de maneira infrutífera fazer com seu mandatário Bashar a o-Assad.

Washington -afirmou- tem um extenso histórico de atos criminosos, poucos princípios morais, legais e políticos, e executados com o objetivo de ampliar a influência e dominar por seu desejo os destinos de outros territórios.

‘A mentalidade do gângster, de cowboy e do criminoso é o único regulamento que segue’, indicou o embaixador, ao citar as atrocidades cometidas contra a própria população aborígene norte-americana, as ocupações em Cuba, Síria, Vietnã e outros estados do mundo.

Moustapha mencionou que em seu país há muitas personagens como Juan Guaidó, titular de um parlamento em desacato e autoproclamado mandatário ‘encarregado’ da Venezuela.

‘Foram a Washington DC, Paris, Londres e Berlim a ver aos chefes de Estado, e agora são a parte esquecida da história, ninguém sabe deles’, dimensionou e sentenciou que a nação sul-americana tem uma batalha pela dignidade humana, a independência e a identidade.

Enquanto, o embaixador da Namíbia, Elia G. Kaiyamo, transmitiu o apoio irrevocável do povo, partido dirigente e Executivo de seu país com a Venezuela, chamou a preservar a paz ali e a se opor a qualquer ato intervencionista.

‘Hoje é a Venezuela, amanhã podemos ser qualquer um de nós. Devemos permanecer ao lado da Venezuela em unidade e solidariedade’, assegurou.

Do mesmo modo, o iraniano Mohammad Keshavarz Zadeh, deu o respaldo as lutas das autoridades de Caracas para preservar a soberania e a convivência pacífica no território nacional.

Desejou que com Maduro à frente e o governo constitucionalmente eleito, o povo venezuelano ganhe a batalha contra a interferência estrangeira.

Os embaixadores fizeram estas propostas durante um Seminário internacional de solidariedade a Venezuela realizado em Pequim e onde se expôs a situação a raiz da intentona golpista promovida pelos Estados Unidos e seu reconhecimento a Guaidó.

Também assistiram dirigentes do Estado e Partido Comunista da China, diplomatas de Cuba, Belarus e República Popular Democrática da Coreia; representantes de organismos internacionais e prestigiosos acadêmicos, entre outras personalidades.

Como parte do evento, os presentes assinaram um livro para exigir dos Estados Unidos que tirem suas mãos e respeite a soberania dessa nação sul-americana.

Muitos também manifestaram suas posturas em mensagens gravadas por vídeo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas