HAMBURGUER_1
SHARE

Enquanto EUA e Europa se imunizam, África vacina apenas 1,6%

Anterior
Próximo

Crise no Peru

Sindicatos peruanos exigem uma Assembleia Constituinte

Diante do aprofundamento da crise, somente a derrota do regime político peruano garantirá uma constituinte popular

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Manifestações no Peru – Foto: Sebastian Castaneda

O golpe de Estado contra o ex-presidente peruano Martín Vizcarra, consequência da crise política entre os setores da classe dominante do Peru, foi derrotado menos de sete dias após a chegada ao poder de Manuel Merino, aliado da ala fujimorista.

A derrota da política golpista se deu por meio de grandes mobilizações populares que tomaram às ruas das principais cidades peruanas. Na maior delas, ocorrida na quinta-feira dia 12 de novembro, milhares de manifestantes ocuparam as principais ruas de Lima durante praticamente todo o dia. Ao cair da noite, a força policial deu início a uma ação de extrema violência contra os manifestantes, ferindo centenas de pessoas, algumas delas gravemente. Dois jovens tiveram ferimentos graves, provocados por tiros, e acabaram morrendo. Vinte pessoas permanecem desaparecidas.

Os manifestantes denunciaram que além da tropa de choque, as forças de repressão infiltraram policiais disfarçados entre a população, que se manifestava, para efetuar prisões e agir de maneira violenta. Tais agentes pertencem ao chamado Grupo Terna, uma espécie de divisão de inteligência da polícia peruana.

As manifestações abalaram de maneira decisiva o novo governo golpista, levando à renúncia de Merino no domingo, dia 15, junto a outros 13 ministros. É importante destacar que a crise política do Peru está associada diretamente com a crise econômica que afeta o País. Com a pandemia do coronavírus, este cenário se aprofundou. O Peru é um dos países com maior média de contaminados por cem mil habitantes, o PIB do país latino-americano teve uma retração de 30% neste segundo semestre.

Nesta semana, como decorrência das manifestações, foi a vez de setores ligados à classe operária peruana saírem às ruas. A central sindical peruana, Confederação Nacional dos Trabalhadores do Peru (CGTP), organizou manifestações nesta quinta-feira, 19. Participaram das passeatas todos os sindicatos peruanos. A principal exigência levantada é a convocação de uma nova Assembleia Nacional Constituinte. A atual constituição do Peru foi reformulada em 1993 durante o governo neoliberal de Alberto Fujimori.

A reivindicação de uma nova Assembleia Constituinte pelas direções sindicais peruanas é semelhante à política levada adiante no Chile pelos setores da esquerda, os quais buscaram canalizar a enorme revolta popular contra o governo direitista de Sebastián Piñera, ocorrida em 2019, para um acordo político com a classe dominante chilena.

A Assembleia Constituinte aprovada no Chile neste ano foi saudada por todos os setores, inclusive e de maneira efusiva pela burguesia chilena e pelo próprio imperialismo. O que deixa evidente a política de tentativa de contenção da insatisfação popular que tomou as ruas chilenas em 2019, a qual tinha na  sequência de sua evolução a derrubada do governo direitista do Chile.

No Peru se prenuncia a mesma política de acordo, diante do aprofundamento da instabilidade política, inclusive com a intervenção de setores da própria classe operária peruana, tal qual no Chile, uma política de acordo com a burguesia peruana, responsável pela situação de miséria e opressão do povo no Peru.

É necessário passar por cima da tentativa de acordo com a direita, todos seus setores, aprofundar as mobilizações, com atos de rua, convocação de uma greve geral, até a derrota de todo o regime político peruano. Somente nesses termos é que se poderá estabelecer uma verdadeira Assembleia Constituinte Popular, com a participação maciça da classe operária peruana e de todos os setores oprimidos.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.