Falta dos EPIs na empresa
Devido ao elevadíssimo índice de contaminação na empresa, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Dourados entrou com ação coletiva
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
frango-agencia-brasil-ebc-15-8-18
Operários frigorífico | Foto: Agência Brasil

O número de contaminação pelo Covid-19 nos frigoríficos no estado do Mato Grosso do Sul é altíssimo. O estado, um dos maiores em número de criação de gado de corte do país é, também, um dos maiores em contaminação dos trabalhadores em frigoríficos.

Um dos casos que chama a atenção é o da empresa Seara, localizada na cidade de Dourados, onde se constatou (ressaltando que são dados fornecidos pelos próprios patrões) que 20% dos empregados do frigorífico contraíram o coronavírus e, esses índices, representam mais da metade dos casos da doença na cidade.

Devido ao elevadíssimo índice de contaminação na empresa, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Dourados entrou com ação coletiva junto a Tribunal do Trabalho do qual argumenta a omissão da empresa na implementação de medidas de proteção com o objetivo de evitar a propagação do contágio nas dependências da empresa, ação essa que foi acatada pela 2ª Vara do Trabalho de Dourado (MS), onde obriga a Seara em todas as dependências, tanto administrativas quanto operacionais, que os trabalhadores sob suspeita de contágio deverão ser afastados por 14 dias, sem prejuízos aos seus salários; um fiscal deverá ser alocado na entrada dos vestiários;  troca de máscaras, tipo PFF2, a cada 5 dias, disponibilizar mais de um termômetro nos ônibus, água quente nos chuveiros dos vestiários e acionador de pedal nas pias de lavagem de mãos.

É preciso deixar absolutamente claro que a decisão do tribunal do trabalho é uma vitória parcial dos trabalhadores e, não será através dos tribunais, instituição que são totalmente controladas pelo Estado burguês, que se dará a vitória plena dos trabalhadores. Não é por acaso que os tribunais do trabalho e especificamente o Tribunal Superior do Trabalho é um ardoroso defensor da mudanças nas leis trabalhistas, com as reformas do governo ilegítimo/fascista Bolsonaro, que vem condenando os trabalhadores à morte pelo coronavírus, como foi o caso da Ministra Cristina Peduzzi, do TST, que determinou que funcionários sem equipamentos de proteção individual e em grupos de risco trabalhadores no Metrô de São Paulo retornem ao trabalho, ou mesmo declarando greves, legítimas das categorias, de ilegais, como foi o caso do Ministro do TST, Ives Grandra Martins, no caso da greve do petroleiros neste ano em plena pandemia, quando a empresa determinou a demissão de mil operários.

As reivindicações dos trabalhadores só serão efetivamente atendidas através das suas próprias mobilizações. Os trabalhadores e suas organização não devem depositar a sua confiança nos tribunais. A vitória não se dará através das instituições golpistas, do judiciário nacional. Toda a energia da categoria deve estar voltada para ações que possam, efetivamente colocar na ordem do dia o fortalecimento e a ampliação da luta, da mobilização em defesa dos direitos e da vida da classe operária, com os seus próprios métodos de lutas: greves, ocupações, etc. Só a organização coletiva dos trabalhadores pode garantir o cumprimento de medidas de segurança para os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas