Capitulação completa
Setores direitistas do movimento sindical aproveitam-se da paralisia para impor a política patronal
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cms-image-000516217
Paulinho da "força" e seus amigos golpistas |

Um dos lemas mais tradicionais do movimento sindical é: “sindicato é para lutar”. Todavia, nos dias de hoje essa posição se tornou totalmente deturpada. A maior parte dos sindicatos brasileiros capitularam completamente no momento em que os trabalhadores mais necessitam de suas organizações. Com o avanço da pandemia do coronavírus, os sindicalistas bateram em retirada e fecharam as portas dos sindicatos. Enquanto isso, os golpistas não perderam tempo e aproveitaram em aprovar um conjunto de medidas de ataque às condições de vida dos trabalhadores.

Um exemplo desses ataques é a Medida provisória 936, a qual permite que os patrões reduzam até 70% os salários dos trabalhadores durante o período de quarentena. De acordo com a proposta, a redução dos salários pode durar até 90 dias e os contratos de trabalho suspensos por 60 dias.

Além dos sindicatos estarem fechados, a gigantesca capitulação para a direita pôde ser vista no “ato” virtual do 1º de maio organizado pelas “centrais” sindicais. A paralisia das principais direções da esquerda favoreceu a política dos setores direitistas e pelegos do movimento operário como a Força Sindical, o PCdoB e sua central CTB, os quais levaram ao “ato” um dos principais inimigos dos trabalhadores, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, autor de centenas de privatizações durante seu governo. Além disso, haviam convidado os golpistas, defensores da “reforma” trabalhista e da “reforma” da previdência, Rodrigo Maia, João Doria e Wilson Witzel, entre outros.

O fortalecimento da posição  dos setores mais direitistas no interior do movimento sindical pode ser vista também em uma nota publicada pelo site da Força Sindical. Na nota, a “central” patronal utiliza uma reportagem do jornal golpista Folha de S.Paulo para comemorar a ação pelega de grande parte dos sindicatos que estão aceitando a proposta de redução de salários imposta pelos patrões.

O título da matéria é um verdadeiro escárnio: “Sindicatos ganham força ao negociarem cortes de salário na pandemia” [grifo nosso]. Ou seja, se antes os sindicatos eram para lutar, com o avanço da política direitista dos setores patronais como a Força Sindical,  o lema agora é: sindicatos é pra cortar.

Logo no início, a matéria afirma que:Foram assinados 170 convenções e 670 acordos coletivos até esta quinta-feira (30) para aplicar a medida provisória que visa dar fôlego às empresas e evitar demissões em meio à pandemia da Covid-19.”

Ou seja, os sindicatos, que deveriam ter uma posição intransigente na defesa dos salários e de todos os direitos dos trabalhadores, atuam abertamente como auxiliares dos patrões, facilitando os acordos de redução salarial, cancelamento de contratos, etc.

A matéria também celebra como grande feito dos sindicatos os acordos individuais em determinadas categorias, como no caso do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, onde houve cerca de 80% de acordos individuais entre os trabalhadores e os patrões.

Setores como a Força Sindical atuam abertamente nesse sentido para implementar de maneira definitiva o chamado “negociado sobre o legislado”, previsto na reforma trabalhista, o qual permite a negociação direta do trabalhador com o patrão sem intermédio do sindicato. Uma verdadeira armadilha para a classe trabalhadora, a qual individualmente será esmagada pela ditadura e pela chantagem dos patrões na crise.

É preciso combater de maneira dura a política desses setores direitistas no interior do movimento sindical, que se aproveitam da paralisia e do imobilismo das direções de esquerda para impor uma política patronal e ultrarreacionária.

É necessário que a única central  que há de verdade neste país, a CUT, mobilize os trabalhadores para enfrentar na prática os ataques dos golpistas e dos patrões. É preciso, primeiro,  reabrir os sindicatos e avançar na luta política em todas as categorias.

É necessário que os setores classistas rompam com os setores direitistas e apresentar para a classe trabalhadora uma política independente daquela que vem sendo imposta por todos os golpistas. Para tanto, é urgente que a CUT convoque uma Conferência que reúna seus sindicatos, os movimentos sociais, os partidos de esquerda e demais organizações de luta para definir um programa em comum e um eixo de mobilização.

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas