Eleições municipais 2020
Em Paranaguá (PR), dirigentes sindicais das categorias de rodoviários, alimentação e vigilantes declararam apoio à candidatura do Partido da Causa Operária.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
FB_IMG_16043482540421539(1)
Dirigentes sindicais manifestam apoio ao PCO em Paranaguá. | Facebook/PCO.

Na quarta-feira passada, a candidatura à prefeitura de Paranaguá (PR)  do Partido da Causa Operária recebeu apoio de dirigentes sindicais das categorias de rodoviários, alimentação e vigilantes.

O PCO defende um programa de mobilização dos trabalhadores sobre a base de suas reivindicações fundamentais, como um salário mínimo vital de 5 mil reais para garantir condições mínimas de existência para uma família trabalhadora, escala móvel de salários para impedir a corrosão dos salários pela inflação, redução da jornada de trabalho para 35 horas semanais e um plano de obras públicas para combater o desemprego e gerar postos de trabalho para todos.  As candidaturas do PCO não fazem demagogia, promessas vazias e semeiam ilusões nas eleições, conforme se observa nos candidatos dos partidos burgueses e da esquerda pequeno-burguesa por todo o país.

O apoio dos setores mais conscientes e organizados da classe trabalhadora demonstra uma evolução política da classe, que vê no Partido da Causa Operária um partido que representa verdadeiramente seus interesses. Setores do PT também decidiram apoiar a candidatura do PCO, pois a direção municipal daquele partido abdicou da candidatura própria e se integrou à chapa encabeçada pelo PDT como vice, o que coloca o PT a reboque de um partido burguês e golpista, visceralmente ligado à política da Frente Ampla, promovida pela burguesia golpista. A base lulista do PT revoltou-se completamente contra essa situação. Paranaguá é uma cidade operária, localizada na região portuária do Paraná, a mais antiga e uma das mais importantes do Estado.

É preciso destacar que o PDT e Ciro Gomes cumpriram papel de importância nas manobras políticas que permitiram que Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) chegasse à presidência da República. Ciro Gomes procurou dividir o eleitorado do PT em 2018 e se dedicou a atacar o PT e Lula sem fazer nada para combater o governo Bolsonaro. O ataque violento ao PT por parte de Ciro era uma forma indireta de fortalecer Bolsonaro.

Os companheiros do PT que manifestaram apoio à candidatura do PCO em Paranaguá são aqueles que se destacaram no movimento de luta contra o golpe de Estado contra a presidenta eleita Dilma Rousseff e contra a condenação e prisão do ex-presidente Lula, esta última levada adiante com o objetivo de não permitir que Lula, o candidato mais popular do país, que estava em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais, vencesse as eleições presidenciais de 2018. O sindicato dos Rodoviários participou da campanha de mobilização pela candidatura de Lula.

O apoio dos sindicatos é sintomático de que a consciência da classe operária se desenvolve. É preciso ter clareza de que o PCO e seu programa representam os interesses dos operários na luta contra exploração capitalista, pela revolução proletária e pela constituição de um governo operário, composto pelos trabalhadores da cidade e do campo e suas organizações de classe. A ligação dos sindicatos com o Partido da Causa Operária sempre foi estreita, pois aqueles percebem que, na prática, o PCO procura defender incondicionalmente os sindicatos, aumentar sua combatividade e defende intransigentemente sua independência frente a burguesia e seu Estado.

Carlos Alberto, membro do sindicato há 30 anos, declarou que vai votar no PCO por causa da luta pela causa dos trabalhadores e pelo Fora Bolsonaro. Diversos companheiros do PT, que participam do Comitê de Resistência Carijó contra o Golpe, afirmaram que votarão 29, por Fora Bolsonaro e Lula Presidente.

Segundo relato do candidato Emmanuel Lobo, a campanha eleitoral do PCO tem contado com apoio de estudantes, professores, portuários, petroleiros, servidores públicos municipais, condutores e diversas outras categorias de trabalhadores. A sistemática deterioração das condições de vida, fruto da política neoliberal de Jair Bolsonaro, a falência política da esquerda pequeno-burguesa que aderiu à Frente Ampla, fazem com que amplos setores da população vejam na mobilização e na candidatura do PCO uma forma efetiva de luta por suas reivindicações fundamentais.

A campanha eleitoral dos candidatos do Partido da Causa Operária tem sido feita entre a classe operária, principalmente nos bairros operários e fábricas. Em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, por exemplo, diversos bairros operários foram visitados pelos militantes com materiais da campanha Fora Bolsonaro e Lula Presidente. O objetivo é elevar o nível de consciência política da classe operária, de forma a impulsionar a mobilização popular contra o regime político golpista e a extrema-direita fascista. Entre os operários, o chamado à mobilização encontra enorme aceitação.

Os candidatos do PCO salientam que as eleições não vão resolver os problemas da população, qualquer que seja seu resultado, pois a burguesia e seus partidos políticos mantém o controle sobre o regime. Somente a organização e mobilização revolucionária podem oferecer uma saída real aos problemas e necessidades dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas