Sindicato dos Metalúrgicos SJC
Patrões receberam carta branca para fazerem o que quiserem contra os direitos dos trabalhadores, dada pelo sindicato.
embraer_e195
Foto: arquivo DCO |

Na última terça-feira (07) o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos realizou reunião com a Embraer, hoje controlada pela Boeing, empresa norte-americana, adquirida em 2019 no governo do fascista Jair Bolsonaro.

Conforme artigo do próprio sindicato teria sido realizado uma assembleia na quarta-feira (08) através do Facebook e Youtube, às 11h00, para que os trabalhadores pudessem avaliar a proposta, cujo objetivo da empresa foi a de fazer com que os trabalhadores pagarem pela situação da crise da saúde pública, relacionada ao coronavírus.

Neste sentido, os patrões já estavam com a pauta que reduz os salários dos trabalhadores, baseada na medida provisória 936/2020, medida imposta aos trabalhadores pelo fascista Bolsonaro, que livra os patrões de pagarem até 70% dos salários, na suspensão do contrato de trabalho.

De acordo com o sindicato dos metalúrgicos, dirigido pela central de brinquedo, a CSP-Conlutas, do PSTU, à proposta apresentada na segunda-feira (06), a empresa utilizou o efeito cascata, dividindo os salários em faixas, começando por R$ 5.000,00, apresentando em seguida o percentual de desconto. No caso de primeiro exemplo, seria de 25%, mais os encargos sociais, incluindo o imposto de renda na fonte, entre outros, de acordo com a faixa de salário, quanto maior, maior também será o desconto, ou seja, quem recebe acima de R$ 12.000,01, sendo a última faixa, terá um desconto nos salários que pode chegar a mais de 50%, incluindo os encargos salariais e impostos, um enorme corte nos vencimentos dos trabalhadores.

Os patrões terão de pagar menos ainda que os percentuais estipulados, uma vez que, o valor de R$ 1.269,00 serão pagos aos trabalhadores pelo governo. Os contratos ficarão suspensos por 60 dias.

Na reunião com sindicato e os patrões da Embraer, que continuou na terça-feira (07), os patrões impuseram simplesmente as mesmas propostas e, numa atitude de capachos, a direção do sindicato do PSTU simplesmente, para complementar a pauta imposta aos trabalhadores pela direção da Embraer, incluíram mais uma faixa abaixo dos salários até R$ 5.000,00 que é a de R$ 3.000,00, ou seja, depois de fazerem uma proposta de não redução nos salários, e os patrões, para não mexer em seus lucros, não acatou, então disserem: “a empresa foi intransigente”, os pelegos da direção do sindicato abaixaram as calças.

Para justificar a capitulação, o sindicato que sequer realizou assembleias para fazer frente aos ataques da empresa, antes mesmo das férias coletivas, agora, numa de atitude pelega, aos moldes dos sindicatos intervencionistas da ditadura acatar as decisões impostas e, até complementa a proposta da empresa.

Principal trecho das reivindicações do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos

– “criação de uma nova faixa com a redução do desconto dos salários para os trabalhadores que recebem até R$ 3.000. A princípio, a empresa pagaria 75% do salário. Após a negociação, passou para 82,5%”.

Após a vergonhosa capitulação, dos dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, filiado à CSP-Conlutas, onde serão reduzidos os salários dos trabalhadores, podendo, ainda, a maioria destes nem voltar, conforme os controladores da Embraer já vinham fazendo, desde que a Empresa de Aeronáutica foi entregue a Boeing, no ano de 2019, poderão aprofundar ainda mais os ataques aos trabalhadores, ou seja os patrões receberam carta branca para fazerem o que quiserem.

Mais uma, deixando de lado a luta dos trabalhadores para recorrer ao governo

Ignorando a política fascista de destruição da classe trabalhadora o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, pela segunda vez, resolve ir ao encontro do ilegítimo Jair Bolsonaro, como ocorreu em 2019, onde o sindicato recorreu a esse governo golpista, contra os ataques dos patrões da Embraer, este ano, resolveram apelar, novamente para o mesmo golpista que não fez nada como naquela época, ou seja, para o mesmo que criou a Medida Provisória 936, o mesmo fascista Bolsonaro e sua equipe de golpistas, com o único objetivo de aliviar a situação dos próprios patrões que querem ver os trabalhadores morrerem de fome e do coronavírus e, que os financiaram e o colocou no poder através de uma fraude escancarada, argumentando o seguinte: “A MP 936 é insuficiente. O governo federal tem total condição de exigir que as empresas garantam o salário integral de todos os trabalhadores. É preciso parar de pagar a dívida pública, que consome mais de um trilhão de reais do Orçamento da União, e de fato investir em saúde pública”.

É necessário repudiar veementemente a MP que via levar aos operários ao maior rebaixamento salarial, levando classe trabalhadora à miséria e a fome jamais vista no país.

Deve-se garantir a estabilidade dos trabalhadores no emprego, a redução na jornada de trabalho sem redução de seus salários.

Reestatização da empresa sob o controle dos trabalhadores

Relacionadas