Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
foto acordo traidor
|

No dia 30 de agosto de 2018, os sindicalistas dos Correios, ligado ao Bando dos Quatro (PT, PCdoB, PSTU e diretoria do Sintect-MG – LPS) assinaram oficialmente no TST – Tribunal Superior do Trabalho – o acordo coletivo de trabalho dos funcionários dos Correios que irá regulamentar a vida profissonal da categoria de 01 agosto de 2018 a 31 de julho de 2019.

O acordo comemorado tanto pelos sindicalistas, como pelos patrões golpistas que controlam a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) reajusta os rebaixados salários dos trabalhadores dos Correios (em média R$ 1500,00) somente pelo índice da inflação,  de 3, 67% segundo INPC (Indíce Nacional de Preços ao Consumidor).

Manteve-se  o acordo passado do jeito que estava, com exceção da Cláusula 28°que trata sobre o plano de saúde da categoria.

Nesse acordo, onde a direção golpista da ECT e o ministro golpista do TST, elogiam os sindicalistas de serem “responsáveis” por orientarem a categoria a não fazer greve esse ano, os golpistas da ECT conseguiram transformar a decisão do TST, realizada no ano passado, de cobrar mensalidades do plano de saúde da categoria, com controle da ANS (Agência Nacional de Saúde), em acordo assinado.

Ou seja, o que antes era uma decisão unilateral do TST contra o direito  a gratuidade do plano de saúde da categoria, agora se transformou em um acordo livre e consciente de ambas as partes, justamente para impedir que o trabalhador possa utilizar mecanismos legais, como o direito adquirido, para contestar processualmente o tamanho do roubo de seu salário através do pagamento de mensalidades nos gastos que terão com a sua saúde e de seus familiares.

Sabendo que a decisão do TST em relação ao ataque do direito ao plano de saúde do trabalhador dos correios, realizada no ano passado, poderia gerar uma enxurrada de processos contra a decisão arbitrária, o ministro  do TST perguntou várias vezes aos representantes sindicais se havia alguma objeção em assinar o acordo, conforme está relatado na Ata da assinatura do acordo: “Seguindo a finalidade do presente ato, o Ministro Vice-Presidente indagou aos representantes das partes, diretamente, pessoalmente e de forma separada, se tinham pleno conhecimento do conteúdo de todas as cláusulas, se compreenderam o conteúdo e não havia dúvida quanto ao seu alcance, bem como se estavam de acordo com os termos da
minuta. “( texto em negrito retirado da ATA 30-08-2018 do TST – conciliação Correios e representantes sindicais dos trabalhadores).

Como bom capachos que são os representantes responderam: “Os representantes das partes responderam posi- tivamente às perguntas formuladas, esclarecendo que praticavam a presente manifestação de vontade de forma espontânea, contando com poderes para tanto, tendo pleno conhecimento da decisão tomada, tudo em respeito ao princípio da autonomia da vontade e da decisão informada” (extraída da já mencionada Ata)

Por fim,  o TST enfiou como definitivo e de comum acordo entre as partes o pagamento de mensalidades no plano de saúde dos trabalhadores dos Correios:  “… sobre a proposta de Cláusula 28, nos seguintes termos: que tal redação estabelece, nos termos da proposta aceita por ambas as partes, que somente tem eficácia as disposições da Cláusula 28a compatíveis com o julgamento proferido no DC-1000295-05.201 7.5.00.0000, não tendo, por óbvio, eficácia o que for incompatível; que a referida redação reconhece que o DC-1000295-05.2017.5.00.0000 conta com sentença normativa proferida, a qual está produzindo todos os seus efeitos, vez que não conta com efeito suspensivo; que nenhum dispositivo da cláusula pode ser considerado válido e eficaz se for incompatível com a decisão proferida no DC-1000295-05.2017.5.00.0000; que o presente acordo não pode trazer qualquer impacto na tramitação do DC-1000295-05.2017.5.00.0000, ou no conteúdo da decisão proferida no referido processo, mas sim o contrário. Ou seja, somente a decisão do DC-1000295-05.2017.5.00.0000 é que pode impactar na eficácia e alcance da Cláusula 28°. (idem Ata de 30-08-2018).

Ou seja, os sindicalistas do Bando dos Quatro, que no ano passado propuseram os trabalhadores pararem uma greve de quase 20 dias para aceitar um acordo onde o plano de saúde seria decidido pelo TST, e quando os ministros do TST decidiram pelo pagamento de mensalidades, os mesmo sindicalistas disseram ser contra a decisão do TST, afirmando que iriam lutar contra essa decisão, acabam de dizer em juízo, de pleno acordo que  querem a decisão de cobrança de mensalidades escrita no acordo coletivo de trabalho da categoria.

E para piorar, justamente no momento em que o país atravessa um golpe de Estado, e que os golpistas rasgaram  as antigas leis trabalhistas (CLT) e no lugar delas, estabelceram uma “reforma” trabalhista que diz que o acordado vale mais que o legislado,

Portanto, os juizes do TST e os patrões golpistas da ECT comemoram o acordo, chamando os sindicalistas do Bando dos Quatro de responsáveis, porque eles assinaram de comum acordo que o trabalhador dos Correios que ganha R$ 1.500,00 reais de salário, pague cerca de R$ 150,00 de mensalidades e mais o quanto vier à gastar para se manter saudável.

Veja ata completa: http://blog.correios.com.br/acordocoletivo/wp-content/uploads/2018/08/2018-08-30-ATA-de-assinatura-do-ACT-2018-2019.pdf

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas