Sindicalistas do Bando dos Quatro continuam levando as reivindicações para os coveiros do TST
foto acordo traidor
Sindicalistas do Bando dos Quatro continuam levando as reivindicações para os coveiros do TST
foto acordo traidor

Na campanha salarial de 2017, os sindicalistas dos Correios ligados ao Bando dos Quatro (sindicalistas do PT, PCdoB, PSTU e diretoria do Sintect-MG – LPS)   traíram a greve da categoria e entregaram o plano de saúde da categoria para que os ministros biônicos do TST (Tribunal Superior do Trabalho) estabelecessem o pagamento de mensalidades para que o trabalhador pudesse utilizar esse benefício.

Em 2018, novamente  os sindicalistas levaram para os coveiros do TST, que enterram todos os direitos dos trabalhadores, a decisão sobre como ficaria a cláusula 26 do plano de saúde, e a resposta dos ministros golpistas do TST foi de que além das mensalidades, os trabalhadores perderiam o direito de colocar seus pais e mães como dependente  do plano de saúde, tendo como prazo limite agosto de 2019 para excluir todos os pais e mães que já estavam na condição de dependente do plano.

Agora em 2019, novamente os sindicalistas dos Correios ligado ao Bando dos Quatro estão levando a ilusão para o trabalhador, de que os juizes golpistas do TST que tiraram os país e mães do plano de saúde, vão intermediar uma boa negociação entre trabalhadores e patrões referente a situação do pai e mãe do funcionário dos Correios que perderam seu plano de saúde.

Depois de tentar sem sucesso uma negociação, a questão da permanência dos pais/mães no plano de saúde com a direção golpista da ECT, os sindicalistas do Bando dos Quatro protocolaram junto aos golpistas do TST, um pedido de socorro, solicitando a intermediação desses inimigos dos trabalhadores.

Os juízes golpistas do Tribunal que não perdem tempo para ferrar os trabalhadores, aceitaram o pedido de intermediação e já iniciaram as rodadas de conversa com os dois lados, propondo que a intermediação termine em no meio do mês de junho.

Não precisa ser adivinho para saber que a entrada do TST na questão só servirá para oficializar o fim do direito dos pais e mães dos ecetistas utilizarem o plano de saúde dos Correios, estabelecendo mensalidades nos valores do mercado de plano de saúde privado.

É preciso que os trabalhadores se desvencilhem dessas manobras da burocracia sindical de levar as lutas da categoria para o “cemitério” dos direitos dos trabalhadores que é o TST golpista.

É necessário organizar comitês de luta contra o golpe em cada unidade dos Correios, afim de derrubar o governo golpista de Jair Bolsonaro, retirando do poder ele e demais golpistas, precisamos retirar Lula da delegacia da Polícia Federal em Curitiba, pois só assim os trabalhadores lograram êxito  em suas lutas parciais, como a luta pela volta do plano de saúde sem mensalidades e todas as maldades que os golpistas aplicam contra os Correios, visando a sua privatização.