Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
In this Oct. 20, 2017 photo, Simone Batista, holding her baby Arthur, looks into the camera as tears roll down her cheeks while she recounts being cut from the
|

O fascista Bolsonaro tem uma predileção especial em tirar chacota da população brasileira. Em entrevista a jornalistas estrangeiros, em café da manhã ocorrido nessa última sexta-feira, afirmou que “Falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira. Passa-se mal, não come bem. Aí eu concordo. Agora passar fome, não. Você não vê gente pobre pelas ruas com físico esquelético como a gente vê em alguns outros países por aí pelo mundo”.

O acinte do presidente contra o povo só pode partir de uma pessoa que tem plena consciência que a sua política, a política do golpe de Estado, tem como fim último promover a aniquilação de uma parcela expressiva da população do país. Por isso mentir, mil vezes mentir. Isso é o fascismo. Essa, também, era a tática de Hitler para encobrir as barbáries impostas aos judeus nos campos de concentração.

Já antes de 2016, mesmo com a política assistencial dos governos do PT – que, diga-se de passagem, foram extremamente limitadas -, segundo dados do  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2013, 3,6% dos brasileiros tinham “insegurança alimentar grave”, o que correspondia, à época, a 7,2 milhões de pessoas. De acordo com os critérios do Instituto, famílias nessa situação podem “passar pela privação de alimentos, podendo chegar à sua expressão mais grave, a fome”.

Desde então, não foi feita mais nenhum pesquisa de aferição da fome no Brasil. Como se trata de tempos de golpe, não seria mera coincidência a inexistência ou a não publicação de pesquisas sobre o tema, mas em 2017, o número de pobres no País atingiu 54,8 milhões de pessoas (26,5% da população) contra 52,8 milhões (25,7%) em 2013, segundo o mesmo Instituto.

Recentemente, a presidenta do Sindicato dos Professores Estadual de São Paulo (APEOESP), Maria Isabel Noronha, declarou que os professores aproveitam a presença das crianças nas escolas para ministrar aulas, porque grande parte delas dependem da merenda escolar para se alimentar. Essa é a realidade do país. É o Brasil da fome em meio a uma grande riqueza roubada do povo e que vai parar totalmente nas mãos dos grandes capitalistas.

Não apenas há fome no Brasil, como o quadro de miséria a partir do golpe de 2016 avança em uma velocidade vertiginosa. Pouco importa que não sejam publicadas novas pesquisas. Basta ver a devastação que o golpe está promovendo no país. Os já limitados programas assistenciais estão em extinção (Bolsa-Família, Fome Zero, Mais Médicos, entre muitos outros), o desemprego já atinge mais de 13 milhões de brasileiros, a população fora do mercado de trabalho supera os 60 milhões de brasileiros.

O governo do golpe, é o governo da mentira, da perfídia, que nesses sete meses teve como única ação, sempre, no dia a dia, uma nova medida para atacar o povo trabalhador brasileiro. O golpe não tem limites. A depender do governo de extrema-direita de Bolsonaro, o Brasil será a África do século XXI, onde campeia a fome, a miséria e o desespero.

No Brasil só há uma saída progressista: a luta aberta contra o golpe e contra o seu representante de plantão, o governo Bolsonaro. Não lutar para por abaixo esse governo de fome e miséria é uma contemporização com a destruição do país e o aniquilamento do seu povo. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas