A cultura e arte em risco
O cineasta Silvio Tendler conclamou os artistas a se unirem para lutar contra o destrutivo governo Bolsonaro. É preciso unir todas as vozes pelo Fora Bolsonaro!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ministerio da cultura predio
Prédio do extinto Ministério da Cultura em Brasilia em 2017 | Foto: Sergio Dutti/UOL

No início deste mês de agosto, o cineasta Silvio Tendler lançou um movimento para unir artistas brasileiros com o intuito de se recriar o Ministério da Cultura. Foi realizado um encontro virtual onde Tendler chamou 100 representantes dos artistas para organizar o que ele chamou de Estados Gerais da Cultura, que seria um coletivo independente e autônomo, que funcionaria como um ministério da Cultura paralelo, enquanto a pasta não for recriada pelo governo federal.

Tendler destacou as atitudes criminosas do governo ilegítimo de Bolsonaro, que tem se caracterizado no sentido de atacar e destruir as artes e a cultura brasileiras.

O cineasta mostra que o setor movimenta milhões de trabalhadores, gerando arte, cultura, prestígio no exterior e traz muita renda. Mas a realidade agora é que muitos estão desempregados e sem nenhuma perspectiva de trabalho, devido à crise governamental agravada com o total descontrole da pandemia do coronavírus.

Dentre os órgãos atacados pelo governo Bolsonaro estão a Cinemateca Brasileira; o desmantelamento da Casa de Rui Barbosa, importante centro de pesquisa e documentação; o silenciamento da FUNARTE e suas atividades em artes plásticas, dança e fotografia e a ANCINE, com o sequestro do FSA (Fundo Setorial do Audiovisual), ocasionando sua completa paralisação. Tendler citou ainda a intervenção no IPHAN, que permitiu a degradação de nosso patrimônio arquitetônico a serviço da especulação imobiliária.

O Ministério da Cultura

O Ministério da Cultura foi criado em 1985 no governo de José Sarney. Teve seu auge nos governos do PT de Lula e de Dilma Rousseff e foi extinto, logo após o golpe de Estado, no governo do interino Michel Temer em 12 de maio de 2016. Naquela ocasião a atitude de Temer foi repudiada pelos artistas. Foram várias manifestações, incluindo ocupações das sedes do órgão em diversos estados, como o Palácio Gustavo Capanema no Rio de Janeiro e os prédios da Funarte em Belo Horizonte, São Paulo e Brasília.

Como consequência, Temer foi obrigado a recriar o Ministério da Cultura por decreto em 23 de maio de 2016. Mas com a posse de Bolsonaro veio um novo ataque ao Ministério da Cultura (Minc). Os Ministérios da Cultura, do Esporte e do Desenvolvimento Social foram fundidos para se criar o Ministério da Cidadania. Dentro do Ministério da Cidadania é criada a Secretaria Especial da Cultura, um órgão agora comandado pelo ator Mário Frias.

Cinemateca Brasileira

Um dos equipamentos sob os cuidados da Secretaria de Cultura é a Cinemateca Brasileira, que nesta semana sofreu um ataque definitivo de Bolsonaro. A polícia foi enviada à sede da Cinemateca que retirou o controle da instituição das mãos da Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto e a passou em definitivo para o governo federal. Tal atitude coloca em risco a memória do cinema brasileiro, um precioso arquivo de 120 anos da história do audiovisual brasileiro. O governo federal já havia cortado as verbas de manutenção da Cinemateca há vários meses, colocando em risco materiais frágeis e sensíveis como as películas de nitrato dos filmes mais antigos, que correm risco de combustão espontânea.

Impulsionar a luta pelo Fora Bolsonaro

A iniciativa de Silvio Tendler é um avanço, já que se propõe a mobilizar a categoria no sentido de sair de sua inércia e mostrar um caminho para a luta. Esta luta dos artistas tem que se juntar à luta de todas as outras categorias de trabalho. Tem que se juntar à luta dos trabalhadores dos correios, dos transportes, dos motoristas de aplicativo, dos motoboys, enfim de toda a classe trabalhadora.

É preciso uma luta unificada contra o golpe de Estado que destituiu a presidenta legítima Dilma Rousseff e quer colocar Lula definitivamente na prisão e roubar-lhe os direitos eleitorais. Só com a palavra de ordem Fora Bolsonaro é que o povo brasileiro terá a chance de retomar seus direitos perdidos, sua história e sua cultura. Esta é a palavra de ordem que deve estar na boca de todos os trabalhadores brasileiros.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas