Demagogia podre
A participação de qualquer elemento do movimento negro na equipe proposta pela rede de supermercados deve ser denunciada como uma colaboração com os inimigos de todos os explorados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
carrefour
Protesto contra a morte de João Alberto | Foto: Reprodução

Nesta semana, o jurista e filósofo Silvio Almeida utilizou as redes sociais para anunciar que iria integrar o Comitê Externo de Diversidade e Inclusão proposto pela rede de supermercados Carrefour. Autointulado marxista, Almeida foi alvo de justas críticas por se associar aos capitalistas, os maiores inimigos dos trabalhadores e dos explorados em geral.

Às críticas, Silvio Almeida respondeu da seguinte maneira:

“Após muito refletir e conversar com pessoas próximas concluí que deveria lutar para que a família obtivesse a adequada indenização, mas também que fosse oferecida à comunidade negra uma resposta eficiente, que venha a se tornar um modelo”.

Embora nenhuma reparação total seja possível — pois nada trará de volta João Alberto para sua família —, a única reparação que o Carrefour poderia fazer é o pagamento de uma indenização para seus familiares. E para isso, não é necessária um “comitê”: basta o Carrefour pagar o que deve à família de João Alberto.

O objetivo do comitê é puramente político. O que o Carrefour está propondo, no final das contas, é formar uma equipe para tornar a rede de supermercados e o seu aparato de repressão “consciente” em relação ao racismo. É um circo. O comitê é uma operação para limpar a imagem da marca Carrefour.

O leitor deveria ponderar, o que Silvio Almeida fará com o Carrefour? Explicará aos seus seguranças que não podem espancar os negros até a morte? Dará treinamento a estes? Precisa de treinamento para saber que não se pode espancar um indefeso até a morte? O segurança tem um trabalho simples, uma função, ameaçar e reprimir a população pobre e negra e garantir a propriedade do Carrefour.

Até mesmo a Coalizão Negra por Direitos, que é um agrupamento bastante pequeno-burguês, e com uma política de tipo identitária, repudiou a formação do tal comitê. Corretamente, a coalizão caracterizou o comitê como uma tentativa de se conciliar com o Carrefour e propôs uma campanha pela cassação de seu alvará de funcionamento. Cassar o alvará de funcionamento do Carrefour pode não ser a política mais precisa para desenvolver a luta do negro no Brasil, mas a política de que “não há mediação com quem nos mata”, elaborada pela coalizão, é absolutamente acertada.

A participação dos negros no comitê antirracista do Carrefour é o mesmo que admitir que a solução para o racismo no Brasil passaria por um acordo com os racistas. O que é absurdo.

Os setores que levam adiante esse tipo de política têm uma consideração de que o problema do racismo, bem como o problema da opressão da mulher, seria um problema “cultural”. Ou seja, por algum motivo abstrato, que ninguém saberia explicar, a “sociedade” teria sido educada para hostilizar os negros e as mulheres. E, sendo assim, a solução para combater esse tipo de opressão estaria em uma reeducação da sociedade.

Essa tese absurda ignora, por exemplo, que os problemas dos negros sempre estiveram ligados a problemas econômicos — a escravidão negra é a maior prova disso. E, por outro lado, na medida em que esses setores se negam a combater o problema em sua raiz — isto é, na luta de classes —, acabam se tornando um ventríloquo do imperialismo. Toda a demagogia identitária de que a solução para o negro seria educar a sociedade para tolerá-lo levou ao poder o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, Barack Obama. Mas a quantidade de negros que foram massacrados pelo sistema penal e pelo aparato e repressão do governo Obama é muito superior a de milhares de governos brancos pelo mundo.

A “consciência” antirracista, portanto, é apenas a “consciência” de que os interesses mais podres da burguesia devem ser defendidos. Trata-se, portanto, do contrário de qualquer tipo de consciência: é uma forma de demagogia, extremamente despolitizada, para dispersar um enfrentamento real.

Como todo tipo de operação identitária promovida pela burguesia, o comitê antirracista do Carrefour é uma completa fraude. Seu objetivo é justamente o de ocultar a política podre e racista do Carrefour. O assassinato de João Alberto, embora chocante, não é surpresa para ninguém. A Polícia Militar é a maior organização fascista do País, porque é uma polícia de classe. Serve para defender, por meio da mais extrema violência, os interesses da burguesia. Se assim é com a PM, que supostamente defenderia os “cidadãos”, muito pior vai ser com a segurança privada, que é paga explicitamente para defender, por meio da violência, a propriedade privada.

Não só que a polícia e o aparato de segurança privado é uma máquina monstruosa é um fato conhecido amplamente, como essa realidade já deu lugar a todo um movimento político. Os Estados Unidos entraram em uma onda de vários e vários protestos contra a polícia, protestos esses que levaram a um enfrentamento com a polícia. A solução para o racismo está mais do que dada: o movimento negro deve se organizar para arrancar, da burguesia, os seus direitos.

Neste sentido, a participação na fraude elaborada pelo Carrefour não só está em total desacordo com uma concepção teórica sobre a luta do negro, como vai claramente de encontro à própria experiência recente dos negros. Propor um acordo com os patrões é, nesse momento, uma política abertamente reacionária, pois procura nivelar as expectativas do movimento negro por baixo: essa é a política dos setores mais atrasados do movimento negro, e não da vanguarda, que deveria ser a política daqueles que se apresentam como marxistas e pensadores da luta do negro. E, nesse caso, setores tão atrasados, mais tão atrasados, que estão em desacordo com a política nacional e a política internacional do movimento negro.

Durante o auge dos protestos nos Estados Unidos pelo fim da polícia, quando a população estava tocando fogo nas delegacias, os setores mais confusionistas e pequeno-burgueses levantaram a palavra de “mantenham o regime, derrubem as estátuas”. Podemos, comparativamente, dizer o mesmo neste caso. Enquanto a população saiu às ruas para depredar o Carrefour, Silvio Almeida clama: “mantenham o supermercado para que possamos nos ajoelhar diante de seus patrões e pedir algumas migalhas”.

A declaração de Silvio Almeida, portanto, consiste em uma inversão total da realidade. Participar do comitê não irá aprofundar a reparação do Carrefour quanto ao racismo. Isto é, o que está em jogo não é indenizar a família de João Alberto e conquistar novos direitos, mas justamente o contrário. A formação do comitê servirá justamente para dar um “cala-a-boca” para o movimento negro: “não protestem, não reclamem, pois já estamos trabalhando para atender as suas demandas”. E, nessa enrolação, não irão indenizar ninguém, nem mudar absolutamente nada de sua política genocida e criminosa.

Aos militantes sinceros do movimento negro, não cabe esperar nada do Carrefour. É preciso organizar a autodefesa dos negros, com direito ao armamento, dissolver a Polícia Militar, e derrubar o governo Bolsonaro e o regime político golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas