Setores de esquerda querem desqualificar Greenwald para salvar Moro

ruicostapimentaaaa

Na Análise Política da Semana apresentada em 7 de Julho, Rui Costa Pimenta abortou a questão das revelações do Intercept e as tentativas de desclassificar Gleen Greenwald para salvar Sérgio Moro, peça-chave da extrema-direita bolsonarista.

O trecho abaixo é uma transcrição da Análise Política:

“Quero fazer mais dois comentários aqui para encerrar. São coisas mais tangenciais da situação política. Queria fazer um comentário sobre um debate que apareceu nas redes sociais, inclusive nas redes sociais do PCO…me lembrei agora onde que apareceu isso daí. Na terça-feira, no programa que temos no 247, alguém perguntou  sobre isso daí, se o Moro não seria uma vítima, se não seria uma trama do imperialismo porque o Moro já cumpriu seu papel etc e tal. Não!  Precisamos tomar muito cuidado com esse problema, porque isso daqui leva a política que é oposta à luta contra o Golpe e à luta contra Bolsonaro.

O que está acontecendo no Brasil, nesse momento, é que o caso Moro levou a crise do governo Bolsonaro, que já era grande, às alturas. E toda a imprensa capitalista, ou quase toda digamos assim, uma boa parte dela, está procurando evitar que a coisa chegue a um limite. O Estado de São Paulo, por exemplo, falou que o Moro tinha que ter renunciado no começo das denúncias, para evitar que a crise se aprofundasse. Mas, se ele renunciar agora, a crise vai se aprofundar ainda mais. A questão do Moro coloca às claras não sei se a melhor expressão seria dizer que “coloca às claras”, mas ela aprofunda as  denúncias que já foram feitas sobre o golpe de 2016. Então, nós não podemos nos confundir. A luta aqui, primeiro que não há nenhuma dúvida sobre a defesa do Moro, que seria uma coisa sem pé nem cabeça. A luta aqui é para fazer com que a partir do impacto das denúncias, se consiga mais um ponto de apoio para levar adiante a mobilização contra o governo Bolsonaro. Nós temos que prestar atenção em quais são os objetivos políticos chave e não se perder em conjecturas que, no final das contas, também não tem nenhum fundamento. Isso daí não tem nenhum fundamento.

Você vê que o Bolsonaro falou “vou levar o Moro num jogo de futebol… está todo mundo dando apoio a ele”. A imprensa capitalista de conjunto, no Congresso, procurou minimizar a crise que foi o depoimento do Moro, primeiro no Senado e depois na Câmara. Procura inventar argumentos, há todo um esforço para contornar a crise que se aprofunda cada vez mais. Nós não podemos perder o rumo. Eu vi até uma matéria da esquerda falando o seguinte: atacava o Gleenwald porque os aliados do Gleenwald, por exemplo a revista Veja, essa coisa horrível, é a favor da Reforma da Previdência. Bom, mas não tem nada a ver com a denúncia isso daí. A denúncia é a denúncia. E a denúncia não precisa de argumentos de autoridade, ela não precisa de ninguém, na realidade ela poderia ter saído de qualquer lugar. Porque aquilo que as revelações das conversas estão mostrando é aquilo que todo mundo já denunciou. Nós, por exemplo, estamos denunciando essas coisas aqui há muito tempo, que a Lava-Jato é uma fraude etc e tal. 

O problema que temos aqui é a tentativa de ou minimizar ou desacreditar as denúncias, porque as denúncias são feitas ou pelo Gleenwald que é um jornalista burguês ou porque o The Intercept é financiado por um capitalista de grande porte ou porque a Veja entrou na jogada, o que é uma coisa nós criticamos, porque isso daí vai acabar inevitavelmente em manipulação. Mas fora isso daí, tentar desacreditar as denúncias é trabalhar a favor do governo Bolsonaro. A gente precisa ter muita clareza e ter muita cabeça o lugar para não fazer o negócio errado.”

O programa Análise Política da Semana é apresentado todos os sábado por Rui Costa Pimenta, presidente nacional do PCO, e vai ao ar todos os sábado às 11:30