Dinheiro para banqueiros
Extrema-direita retoma ataques contra os servidores públicos com mentiras e usando toda imprensa burguesa
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
guedes-btg
Bancos são os verdadeiros vilões do orçamento | Foto: Reprodução

A imprensa burguesa, a começar o Jornal Nacional, da Rede Globo, tem feito uma campanha sistemática contra o funcionalismo público e tem se utilizado de todos os instrumentos para isso, menos a verdade. Jornais televisionados, revistas, jornais impressos e toda mídia digital à serviço do grande capital tem utilizado dados supostamente elaborados pelo Instituto Millenium, uma entidade criada e mantida por capital internacional originado em grupos de extrema-direita norte-americana, que tem vários nomes em outros países da América Latina, Ásia e Europa do Leste. É uma entidade que segue a tradição de organizações já conhecidas na história brasileira desde pelo menos a segunda metade da década de 1950, quando seus congêneres financiaram o golpe militar de 1964 e ajudaram a formar uma extrema-direita fascista e truculenta que se infiltrou em todos os órgãos do Estado brasileiro desde então.

A bola da vez tem sido o funcionalismo público. Mas faz parte da estratégia das organizações empresariais, religiosas e educacionais ligadas a essa rede internacional fascista um programa de desestruturação do aparelho de Estado, começando pela privatização, continuando pela retirada de direitos e criminalização dos movimentos sociais, e continuando no enfraquecimento de todo tipo de resistência política que possa impedir que os golpes que tem conseguido fazer prosperar pelo mundo afora sejam obstaculizados pelos movimento populares e pelas organizações sindicais.

Fazendo água por todos os lados, o governo Bolsonaro nesta semana perdeu dois secretários do Ministério da Economia. Um que cuidava das privatizações e outro que cuidava da aniquilação da administração pública. Por isso, a sanha e raiva da imprensa burguesa contra o funcionalismo. Está vendo que o projeto de “reforma” do Estado pode não acontecer, “em um dos seus programas de maior audiência, o Jornal Nacional, uma reportagem afirmando que os gastos com funcionalismo público representaram quase 14% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto a saúde pública recebeu 4%. Os dados são de 2019” (CUT, 12/8/20).

O presidente da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB), João Domingos Gomes dos Santos, rebateu os dados apresentados pela Rede Globo, afirmando que é errado “considerar apenas o valor bruto e não levar em conta o percentual de servidores em relação ao total de empregados no país”. De acordo com ele, “o Brasil é um dos que menos gastam no mundo, considerando a população total de trabalhadores, ficando atrás de quase todos os países europeus, que mantêm em média entre 10% a 15% do total de empregados no serviço público”(Brasil 247, 12/8/20).

Os “dados” divulgados pela Rede Globo foram manipulados propositalmente. Os servidores da educação e os servidores da saúde foram contados duas vezes ou escondidos para diminuir os números da educação e da saúde, isto porque, quem faz educação e saúde são os servidores em carne e osso com ajuda de investimentos e equipamentos. Por isso, Oton Pereira Neves, secretário-geral do Sindicato dos Servidores Públicos do Distrito Federal (Sindsep-DF), “classifica o levantamento como fake e criminoso. Ele afirma que a pesquisa é uma encomenda para que o povo apoie a reforma contra os servidores” (Brasil 247, 12/8/20).

A maior fatia do orçamento é aquela destinada ao pagamento de juros e amortização da dívida. No ano passado o governo federal destinou aos banqueiros e rentistas a soma de R$ 1,038 trilhão ou 38,27% de todo o orçamento público federal. Há décadas que se luta para que uma auditoria dessa dívida seja feita e os banqueiros conseguem produzir um gigantesco lobby para tirar esse debate de pauta.

Os servidores públicos não querem evitar o debate sobre as condições de trabalho e as remunerações no serviço público. Mas querem que isso seja feito de forma a garantir os direitos da população e a romper com os privilégios de algumas castas militares, do judiciário, do Ministério Público e até mesmo do Executivo. É o debate que desejam, por exemplo, os trabalhadores da educação. Os professores da rede pública são os que menos recebem das profissões de ensino superior.

O debate sobre uma reforma administrativa deve seguir caminho oposto ao que a extrema-direita e a burguesia estão pautando. E, para financiar essa reforma, há que se verificar o que está em excesso no pagamento da dívida, há que se criar um imposto sobre as grandes fortunas, há que se começar a tributar os bens de luxo dos muito ricos, e, é claro, criar planos de cargos e salários que não penalizem certas categorias profissionais favorecendo outras que se formam como donas da Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas