Sérgio Moro no STF? Lava Jato é de extrema-direita

Se durante o golpe de Estado existiu alguém odiado e denunciado pelo povo trabalhador, esse alguém é Sérgio Moro. O juiz do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) foi o responsável de levar adiante as prisões da operação golpista Lava Jato, tendo ordenado a prisão de José Dirceu e Luiz Inácio Lula da Silva, para citar os dois mais importantes casos.

Agente do imperialismo, Sérgio Moro, ou “Mussolini de Maringá”, como ficou conhecido, é um dos principais colaboradores do golpe de Estado no Brasil, defensor do impeachment fraudulento da presidenta Dilma Rousseff. Formado pelos yankees, foi aos Estados Unidos por diversas vezes, seja para orientações, seja para congratulações pelos serviços prestados no golpe brasileiro.

É por esta razão que Sérgio Moro está sendo cotado por Jair Bolsonaro, eleito de maneira fraudulenta no último dia 28, para compor a corte do Supremo Tribunal Federal, ou mesmo ser o Ministro da Justiça, já a partir do primeiro dia de 2019, o que não passa de mais um benefício dado por serviços prestados para o golpe de Estado. É para isso que servem as cadeiras do STF.

A equipe de Jair Bolsonaro é tenebrosa. Cada nome anunciado causa calafrios na população, e o de Sérgio Moro não poderia ser diferente. Ele está sendo premiado por serviços prestados aos golpistas, já que de Constituição Federal (que o STF supostamente seria o defensor) Moro não entende absolutamente nada. Foi atuando contra a Lei que Moro levou adiante os planos dos golpistas, como, em especial, a prisão de Lula.

O movimento de luta contra o golpe não deve aceitar os resultado fraudulentos das eleições encerradas no último domingo, e deve chamar a população a se organizar contra o golpe, contra a fraude eleitoral, e pela liberdade imediata de Lula, que está detido nas masmorras de Sérgio Moro.