Siga o DCO nas redes sociais

Inimigo do povo negro
Sérgio Camargo cumpre promessa e homenageia princesa Isabel
Desde que foi nomeado pelo presidente, também ilegítimo, Jair Bolsonaro, Camargo vem exercendo com excelência o que seria o papel da figura histórica de ‘Capitão do Mato’
Sergio-Carmago-visita-bolsonaro-amigos
Inimigo do povo negro
Sérgio Camargo cumpre promessa e homenageia princesa Isabel
Desde que foi nomeado pelo presidente, também ilegítimo, Jair Bolsonaro, Camargo vem exercendo com excelência o que seria o papel da figura histórica de ‘Capitão do Mato’
Jair Bolsonaro e seu “Capitão do Mato”, Sérgio Camargo, presidente ilegítimo da Fundação Palmares
Sergio-Carmago-visita-bolsonaro-amigos
Jair Bolsonaro e seu “Capitão do Mato”, Sérgio Camargo, presidente ilegítimo da Fundação Palmares

Sérgio Camargo, o presidente ilegítimo da Fundação Palmares publicou, nesta quarta-feira, 13 de Maio, Dia da Abolição da Escravidão no Brasil, dois artigos onde homenageia a Princesa Isabel, colocando-a como mártir responsável pelo fim da escravatura no Brasil, e Zumbi dos Palmares como mito da esquerda. Isso configura um ataque brutal à história de luta do povo negro contra a escravidão, uma luta de resistência desde o primeiro minuto de prisão com chutes, desobediência e fuga até os dias de hoje, com a luta pelo poder do povo negro, e contra o racismo financiado pelo sistema capitalista.

Desde que foi nomeado pelo presidente, também ilegítimo, Jair Bolsonaro, Sérgio vem exercendo com excelência o que seria o papel da figura histórica de ‘Capitão do Mato’. Ou seja, o negro que, mandado pelos brancos, nega sua origem, sua história e sua própria condição de subalterno das elites ricas e brancas. Qual seria o sentido de homenagear uma nobre branca por ter assinado um simples documento, completamente pressionada politicamente por uma luta de 400 anos do povo africano escravizado? Não seria outro senão apagar o legado de luta negra cotidiana durante todo o tempo de escravidão.

Isso mostra com clareza a missão que a extrema-direita delegou quando o nomeou para o cargo de presidente da Fundação, que é de destruir os patrimônios da história do povo negro no Brasil. Bolsonaro é inimigo da classe trabalhadora negra, e delega a Camargo a tarefa de esconder o racismo estrutural e o extermínio da população pobre e negra no Brasil.

Leia Também  Polícia dos EUA mata mais um negro agora em Louisville

Em declaração, este último teria alegado que não há racismo estrutural no Brasil, apenas circunstancial. Entretanto, segundo dados do Instituto Brasileiro de geografia e Estatística (IBGE), das pessoas que estão em situação de pobreza no Brasil, 75% delas são negras. Dos números recordes de desempregados hoje no Brasil, quase 70% são negros. O genocídio negro não é nem um mito, pois 76% das pessoas mortas pela ações criminosas da Polícia Militar são negras. Das pessoas que dependem do Sistema Único de Saúde, 80% é de população negra. É preciso denunciar, o povo negro ainda sofre os efeitos da escravidão e é maioria esmagadora da população trabalhadora deste país.

É nesse mesmo sentido que Douglas Belchior, historiador e membro da Uneafro Brasil, nos conta que

“o 13 de maio como dia da libertação é uma mentira cívica, como dizia Abdias do Nascimento, e conta com o cinismo escravocrata que é a marca da elite brasileira. […] A população negra continua estruturalmente no mesmo lugar em que estava no dia seguinte à abolição”.

Isto é, o dia 13 de Maio de 1888 foi o dia que a coroa foi forçada a assinar a abolição da escravidão no Brasil, mas as condições de vida da população negra mais de 100 anos depois são consequências diretas da escravidão.

Leia Também  Multidão faz protesto contra o racismo na Finlândia

No artigo em que homenageia a princesa escravocrata, Camargo afirma que ela teria dado “fim à desumana forma de exploração humana” que teria sido a escravidão. Num simples jogo de retórica, é possível revelar que o governo Bolsonaro estaria em busca, então, de uma “forma humana” de explorar a população negra em um governo que é capacho dos ricos?

A política da Fundação Palmares, em sua determinação de origem na Constituição de 1988, é a de “promover a preservação dos valores culturais, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira”. Nos dias de hoje ela está fazendo o contrário, negando e escondendo as condições históricas do povo negro no país. Esta política negacionista é fruto do projeto político do governo Bolsonaro.

Para que possamos recolocar a Fundação à serviço do povo negro novamente, é preciso derrubar de uma vez o governo Bolsonaro. A experiência já nos provou que, caso conseguíssemos derrubar Sérgio Camargo do cargo, é possível que o governo o substitua por alguém pior e mais demagógico ainda. Sendo assim, é preciso romper completamente com um governo da direita que é inimigo do povo negro, de sua história e de sua luta contra o racismo e pelo poder político.