Será que alguém vai entender alguma coisa? Moro dará palestra em Harvard, em Massachusetts

O golpe de 2016, que depôs a presidenta Dilma Rousseff e permanece evoluindo rumo a um regime de puro massacre da classe trabalhadora, foi orquestrado e financiado pelos grandes inimigos do progresso da humanidade: os monopólios imperialistas. No entanto, um personagem recebeu a missão de ser o principal carrasco da “luta contra a corrupção”, isto é, a luta contra a oposição ao imperialismo: o juiz Sérgio Moro.

Moro, conhecido como Mussolini de Maringá, se tornou, em menos de cinco anos, uma espécie de herói nacional dos coxinhas. Embora tenha esse status, Moro tem trabalhado incansavelmente para manter os maiores bandidos do Brasil impunes – como a Rede Globo – e para encarcerar todos os opositores ao imperialismo. Para prender Lula, por exemplo, que é o maior líder popular do país, o Mussolini de Maringá passou por cima da Constituição inúmeras vezes.

A postura tão pró-imperialista do juizeco não é, obviamente, apenas resultado de sua ignorância. Para cumprir com todas as missões delegadas pelos monopólios e ainda utilizar, para isso, justificativas mirabolantes, Moro foi treinado pelos Estados Unidos para ser seu agente.

Além de ser um agente norte-americano, Moro é um lambe-botas dos Estados Unidos. Embora não seja autor de tantas “pérolas” como as do procurador fascista Delano Dallagnol, o próprio fato de Moro citar a jurisprudência americana repetidamente e de ser fã de personagens da Marvel indica isso.

Apesar de tanto amor pelos exploradores da humanidade, Moro demonstrou, em entrevista recente, que é incapaz de falar a língua inglesa. Ou seja, nem mesmo a língua do país que tanto admira, o herói dos coxinhas é capaz de falar, embora os coxinhas tenham criado um mundo em que Moro fosse um intelectual.

Agora o Mussolini de Maringá foi chamado para dar uma palestra em Harvard, que fica em Massachusetts. Por coincidência, “Massachusetts” foi justamente a palavra que o juizeco não conseguiu pronunciar durante sua entrevista no Roda Viva.

Embora o evento tenha sido organizado por brasileiros que moram em Harvard – visto que Moro, embora seja um capacho, não é recebido com tapete vermelho pelos americanos -, se espera que Moro fale em inglês. Se isso acontecer, será a melhor palestra que Moro já deu em sua vida: afinal, ninguém vai entender nada.