População esquecida
Nesta terça-feira (07) um grupo de sem-tetos acampou em frente a prefeitura de São Paulo-SP para cobrar ações prometidas para o combate a pandemia nas populações vulneráveis.
whatsapp-image-2020-07-07-at-20.51.17-1- (1)
População sem-teto realizou ato em frente a prefeitura de São Paulo cobrando ações devido a pandemia | Foto: Movimento Estadual da População em Situação de Rua/Movimento Nacional da População de Rua

Nesta terça-feira (07) um grupo de sem-teto acampou em frente à prefeitura de São Paulo-SP, no Viaduto do Chá, em forma de protesto para cobrar da gestão de Bruno Covas (PSDB) as medidas prometidas pela prefeitura para com a população sem-teto em meio a pandemia. No final de abril, a prefeitura sancionou uma lei que estabelecia entre várias ações para abrigar pessoas em vulnerabilidade em meio a pandemia, a disponibilização de vagas em hotéis para os idosos que moram nas ruas, porém, três meses depois, nada saiu do papel.

O ato foi organizado pelo Movimento Estadual de População em Situação de Rua (MEPRSP) e pelo Movimento Nacional da População de Rua (MNPR). Além das vagas nos hotéis, as reinvindicações incluem organização de espaços para barracas com estrutura para alimentação, negociação com o governo estadual para a ampliação do programa Bom Prato para três refeições diárias de domingo a domingo, além da instalação de banheiros e chuveiros permanentes pela cidade, e melhoria nos centros de acolhida da capital, que os moradores consideram ambientes insalubres.

Relacionadas