Guerra aos pobres
Fate Winslow foi liberado da prisão após cumprir doze anos da pena de prisão perpétua pela venda de US$20 em maconha a um policial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fate-winslow (1)
Fate Winslow após ser solto da prisão | Foto: Innocence Project New Orleans/Divulgação

A Justiça dos Estados Unidos, colocada tantas vezes como exemplo mundial na propaganda imperialista da “democracia americana” se mostra tão reacionária e tão perseguidora da população trabalhadora e negra quanto nos países atrasados. Um dos vários exemplos que podem explicar essa verdadeira arbitrariedade  com a população mais pobre é o caso de Fate Winslow, que após doze anos de prisão foi libertado na última quinta-feira (17). Winslow cumpria prisão perpétua no estado de Louisiana, após ser apreendido por um policial pela venda de US$20 de maconha, isso em um país que em grande quantidade de estados a maconha para uso recreativo já é legalizada.

Fate Winslow havia recém se tornado sem teto quando em 2008 foi abordado por um policial a paisana na cidade de Shreveport, que estava em “busca” de um pouco de maconha, ou melhor, em busca de como levar a cadeia mais uma pessoa que se encontrava em completa vulnerabilidade social. Após alguns minutos, Winslow voltou com uma quantia equivalente a US$20 de maconha e foi preso em flagrante. Por já ter antecedentes por dois roubos e um por posse de cocaína, ele foi condenado a prisão perpétua. A arbitrariedade com que o caso foi julgado se dá pela desproporcionalidade da pena, afinal nenhum dos antecedentes de Winslow foi declarado como um crime de extrema violência para que justificasse que o mesmo passasse o resto de sua vida na cadeia, aliás nem mesmo os doze anos encarcerado seriam justificáveis pelos crimes que cometeu.

O caso que aconteceu em Louisiana é mais uma das várias sentenças de prisão perpétua que estão sendo cumpridas pela prática de crimes não violentos, segundo o próprio advogado de Fate Winslow, Jee Park: “Existem centenas de indivíduos cumprindo penas de prisão perpétua por crimes não violentos na Louisiana”, disse. O tamanho da desproporção da pena também foi comentado por Park: Jogar as leis em cima do Sr. Winslow e sentenciá-lo à prisão perpétua apenas porque se podia fazer isso não significa que foi algo constitucional, legal e humano. Ele recebeu uma sentença absurdamente excessiva devido às circunstâncias de sua vida e ao crime, e hoje estamos corrigindo essa sentença inconstitucional e desumana”, concluiu.

Este é mais um exemplo de que a suposta “guerra contra as drogas” ou que a democracia e a justiça americana são uma verdadeira farsa, onde a perseguição a população mais pobre e negra é feita através de penas cada vez mais duras e desproporcionais, onde efetivamente, os grandes beneficiados pelo narcotráfico estão ilesos, pois fazem parte de uma parcela da população que detém poder e dinheiro, enquanto os “resultados” dessa guerra contra as drogas são apresentados a população em punições cada vez mais severas com aqueles que estão a margem da sociedade, onde não há realmente nenhum resultado, apenas o encarceramento de pessoas cada vez maior.

A guerra contra as drogas e o tráfico se mostram tão inconsistentes que após a liberação do uso recreativo da maconha em vários estados, diversas sentenças de crimes relacionados à maconha foram anulados, enquanto outros amargam dias intermináveis em sentenças completamente arbitrárias, mostrando o quanto a justiça burguesa é inconsistente e atende a interesses específicos, independente de onde ela seja praticada, as populações mais pobres vivem uma verdadeira perseguição da burguesia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas