Extrema-direita
O caso, segundo a polícia, pode ser julgado como triplo homicídio; no entanto, é preciso denunciar que a maior motivação para o assassinato foi o fascismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
a-nova-cracolandia-paulistana-fica-na-praca-princesa-isabel-regiao-historica-do-centro-de-sao-paulo-1497055576559_1920x1279
Sem teto são um dos alvos mais vulneráveis para a ação dos covardes fascistas. | Imagem: André Lucas/UOL

Neste último domingo(4), um homem assassinou, a sangue frio, três moradores de rua em Birigui – SP, no bairro Patrimônio Silvares. As vítimas foram dois homens e uma mulher, que não tiveram os nomes divulgados.

A polícia militar, a partir da denúncia de um morador local, que continha registros do assassino e seu veículo, uma moto, conseguiu localizá-lo e prendê-lo. O caso, segundo a polícia, pode ser julgado como triplo homicídio; no entanto, é preciso denunciar que a maior motivação para o assassinato foi o fascismo.

A cidade de São Paulo tem dos maiores índices do País sobre casos de assassinato de moradores de rua, aparentemente sem nenhuma motivação. Envenenamento, queimaduras, espancamentos e tiros a queima roupa são das práticas mais recorrentes. Além disso, em mais 55% dos casos, as vítimas são negras ou pardas.

Pois bem, esta é uma prática histórica há muito conhecida entre os fascistas que, financiados e protegidos pela extrema-direita e pela própria polícia militar, atacam a população de rua por serem dos grupos sociais mais vulneráveis em termos de defesa pessoal e proteção humana.

Estes grupos são a base de governos da extrema-direita, como foi o caso do nazismo alemão e do fascismo italiano nas décadas de 20 e 30 na Europa, e como é o caso do governo Bolsonaro. Isto é, esses grupos fazem parte do projeto político do governo Bolsonaro que, ao passo que não consegue o apoio da população, se mostrando completamente impopular, tenta intimidá-los de todas as formas. O fascismo vem avançando no Brasil após o Golpe de Estado em 2016, é preciso combate-lo.

Esses grupos agem implantando o terror na população trabalhadora a partir do medo e da violência, são covardes e atacam grupos sociais mais oprimidos, como é o caso das minorias políticas, ou seja, mendigos, negros, mulheres, LGBT etc. Entretanto, têm por maior objetivo e alvo político atingir as organizações operárias, como sindicatos e organizações de classe, e até mesmo os próprios trabalhadores, que são inimigos da extrema-direita.

Diante da situação, o apoio do governo do governo Bolsonaro aos fascistas, abutres e covardes, coloca os trabalhadores numa posição na qual a única saída é a de se autodefenderem. Portanto, é preciso montar, entre os trabalhadores, grupos de autodefesa contra os fascistas para que, na hora que seja preciso agir, defender a população à altura que as situações solicitam.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas