Eleições na Câmara
Chantagem para que a esquerda componha o grupo dirigido por Rodrigo Maia é uma fraude: a direita ganhou as eleições desde o momento em que a esquerda decretou sua própria nulidade
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maia
Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro | Foto: Marcos Corrêa/PR/Flickr
maia
Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro | Foto: Marcos Corrêa/PR/Flickr

Um dos cínicos argumentos em voga para pressionar os militantes mais sinceros da esquerda a engolirem o apoio do PT, do PCdoB e do PSOL ao bloco de Rodrigo Maia na Câmara dos Deputados é o de que, sem a esquerda, Bolsonaro sairia vencedor. Essa posição pode ser encontrada, por exemplo, em artigo recente assinado pelo jornalista Alex Solnik, intitulado “Sem PT no Grupo dos 11, Bolsonaro leva”.

O tom é claramente de uma chantagem. Ou a esquerda — e principalmente o PT, que é o partido com a maior bancada na Câmara — apoia os vigaristas da direita nacional ou será responsável pela vitória de um aliado do fascista, grotesco e genocida Jair Bolsonaro. O leitor que procurar alguma lógica neste raciocínio, não encontrará: trata-se apenas de histeria.

Vê-se, nesta posição de franca defesa da direita nacional, uma política muito semelhante à que a esquerda levou adiante durante as eleições municipais de 2020. Naquela oportunidade, PT, PCdoB, PSOL, PCB, PSTU e UP, alguns de maneira mais, outros de maneira menos escancarada abriram mão de qualquer programa para apoiar a política da direita. Em alguns casos, como no Rio de Janeiro, o PT, o PCdoB e parte do PSOL apoiaram o candidato do DEM, Eduardo Paes, em nome da luta contra o “bolsonarismo” do Republicanos. Em São Luís, contudo, o mesmo PCdoB apoiou o Republicanos em nome da luta contra o “bolsonarismo” do Podemos! E pior: o PPL, fração do PCdoB, apoiou o candidato do Podemos na capital maranhense…

Nos casos um pouco menos explícitos, a confusão alcança a mesma envergadura. Guilherme Boulos, candidato do PSOL em São Paulo, defendeu o mesmo programa da direita nacional, embora não tenha apoiado diretamente o PSDB, por exemplo. Boulos defendeu o armamento da guarda municipal, assinou manifestos com a direita nacional e ainda prometeu não “demonizar” os empresários. Em outras cidades, seu partido lançou candidatos diretamente ligados à burguesia. Um deles, que foi eleito, é um latifundiário!

A luta contra o bolsonarismo, portanto, não é uma política séria por parte da esquerda nacional. Tanto é que se tornou uma luta sem qualquer princípio: é bolsonarista aquele que a esquerda diz que é, e não é bolsonarista quem a esquerda pequeno-burguesa diz que não é. Ou, sendo ainda mais preciso: é bolsonarista aquele quem a imprensa burguesa diz ser, e é “democrático” e “civilizado” aquele que é recebido com confetes e serpentinas pelos capitalistas.

Nas eleições da Câmara, nem o PT, nem o PCdoB, nem o PSOL têm quaisquer chances de tomar a mesa diretora. Assim como, por exemplo, a esquerda tinha pouquíssimas chances de ter um bom desempenho eleitoral neste ano. Afinal, tanto em um caso, como em outro, o jogo já foi montado para que a direita saísse vitoriosa. E, no caso da Câmara, a situação é ainda pior: quem irá votar são os deputados, picaretas inimigos do povo, que conquistam seus cargos ao se submeterem a todo tipo de política podre da burguesia. E se não há chance de ganhar, o que fazer?

A política de escolher um dos candidatos com maior força, mesmo que ele não corresponda ao seu programa, é a famigerada política do “mal menor”. No cálculo de quem defende esse tipo de política, a situação seria a seguinte: já que é impossível que o meu programa vença, vou defender aquele que tem um programa mais parecido com o meu. Esse raciocínio, contudo, não é válido.

Isso porque a política da direita nacional não é “meio-progressista”. É uma política completamente antagônica aos interesses da esquerda e do povo. Pior ainda: a direita nacional é a responsável direta pela situação terrível em que se encontram os trabalhadores: 200 mil mortos na pandemia, mas de 14 milhões de desempregados, o País de volta ao mapa da fome, privatizações diversas etc.

E quando a esquerda sai em defesa da direita nacional, sua única contribuição é no sentido de confundir os trabalhadores, que identificam na esquerda uma defesa de seus interesses. Ao ver a esquerda com Maia, Baleia Rossi (MDB) e tantos outros golpistas, acabam abandonando qualquer perspectiva de luta contra a direita e se dirigindo ao precipício.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas