Caos social
Bolsonaro e a direita golpista estão causando um genocídio da população trabalhadora e não tomará nenhuma medida de combate ao coronavírus
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, no ministério.
Bolsonaro e Guedes | Foto: reprodução

O governo de Jair Bolsonaro e todos os governos da direita golpista estão promovendo um genocídio da população brasileira diante da pandemia de coronavírus.

Não há nenhum plano real de combate e nenhuma medida efetiva sendo tomada no momento, fato que está agravando ainda mais a situação crítica do coronavírus e as consequências econômicas para os trabalhadores e a população em geral. Nesta quarta-feira (16/12), o Brasil resgistou 70.574 novos casos, batendo o patamar de 7 milhões de infectados, ou para ser mais exato, 7.040.608 de pessoas contaminadas.

Diante disso, o Brasil caminha para ser um dos países mais afetado pela pandemia de coronavírus. Dados mostram que nessa semana podemos chegar a 200 mil mortes, dados oficiais que não merecem nenhum crédito porque são dados subestimados e manipulados para esconder a situação real. Como não há testes em massa, nem nos casos de mortes suspeitas, pode se chegar tranquilamente que o número é muito maior do que o apresentado.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que o Brasil é um dos países com maior taxa de expansão de casos do mundo. Enquanto os dados da OMS apontam para uma estabilização dos casos em muitos países, no Brasil a taxa de expansão do coronavírus foi de 35%. Só para se ter uma ideia, os EUA é um dos países mais afetados pela pandemia é o segundo colocado na taxa de expansão do COVID-19 com 9% de aumento. Um número muito menor.

Esse cenário alinhado a crise econômica agravada pelo coronavírus está levando a maior parte da população ao desemprego e a retomada em grande escala da pobreza e da fome em todas as regiões do país. O Economista Daniel Duque, pesquisador do Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas), a pedido da BBC News Brasil, afirma que a pobreza extrema deve atingir no próximo mês uma taxa entre 10% e 15% da população brasileira, o dobro da registrada no ano de 2019, importante lembrar que esse número já vinha crescendo sistematicamente após o golpe de Estado em 2016. Ou seja, aproximadamente 13,7 milhões de pessoas vão estar em condições de pobreza extrema. Um número gigantesco. Pessoas em pobreza extrema vivem com menos de U$ 1,7 por dia.

 

Sem auxílio emergencial e muito menos vacina

 

O auxílio emergencial, apesar de ser um valor miserável e que não garante o sustendo de nenhuma pessoa e muito menos uma família, estava sendo uma das formas de garantir que a população não morresse de fome, literalmente. O valor irrisório de R$ 600,00 ao menos garantia uma renda para os trabalhadores que foram duramente afetados pela queda da economia, demissões e cortes nos salários.

Mas agora nem mesmo esse valor irrisório, que há dois meses foi reduzido para R$300 para a maioria dos beneficiários, vai ser colocado para a maior parte da população. Em recente declaração, o ministro tchutchuca dos banqueiros, Paulo Guedes ainda desdenhou da situação da população. Em discurso na Conferência de Montreal, evento do Fórum Econômico Internacional das Américas, disse que “vamos retirar o auxílio (emergencial) e nos concentrar em entregar as vacinas”. E complementou “de agora até o final do ano, 31 de dezembro, a ideia é que voltemos à situação ordinária, então até o fim do ano teremos encerrado essas camadas auxiliares que lançamos para preservar empregos, vidas e a economia”.

O governo nega inclusive uma segunda onda de coronavírus no país apesar da volta da superlotação dos hospitais e de altos patamares de mortes e contaminações.

Nesse momento, o governo Bolsonaro está usando a propaganda em torno das vacinas para aproveitar e justificar o encerramento do auxílio emergencial. A pegadinha do tchutchuca dos banqueiros é que não há nenhuma vacina para distribuir para a população.

Em primeiro lugar não existe vacinação em larga escala em nenhum país, a vacinação ocorre de maneira experimental numa quantidade grande de pessoas e não em toda a população. O segundo ponto é que não há nenhum plano de vacinação do governo brasileiro e nem dos estados governados por “governadores científicos” como o tucano João Doria.

O número de doses apresentadas pela direita é muito menor que a população brasileira e não há sequer seringas e agulhas suficientes para dar conta da vacinação em larga escala. Essa situação de caos social e medidas de combate ao coronavírus deve ser colocada na conta da direita que não fez nada e muito menos se preparou para o caso de haver uma vacina, nem mesmo os governadores “científicos”.

O que há é uma guerra entre duas alas da direita para fazer demagogia com a população. Fica claro que Doria e outros direitistas usam a questão da vacina para fazer propaganda de si mesmo e se contrapor a Jair Bolsonaro, mas que mesmo nesses estados não há condições mínimas nem de vacinação e muito menos de obter uma vacina.

 

É preciso derrubar Bolsonaro e a direita golpista

 

Essa situação tende a se agravar ainda mais e não há nenhuma medida para ser tomada enquanto Jair Bolsonaro estiver na presidência da República e nem com governadores de direita que fazem demagogia com a vacina.

A esquerda burguesa e pequeno burguesa, diante dessa situação, não denuncia a política genocida de Bolsonaro e de todos os golpistas e se limita a limitadas medidas institucionais, no parlamento,  correndo atrás da direita “civilizada” para conseguir alguma migalha.

Mesmo que consiga aprovar alguma medida para ajudar a enfrentar a pandemia, esses recursos serão aplicados e disponibilizados por Bolsonaro e pela direita civilizada e que não irão chegar para amenizar o sofrimento da população. Um bom exemplo é o auxilio emergencial que não foi nenhum ganho da esquerda e sim uma medida da própria burguesia para evitar o caos social, mas que pode ser retirada a qualquer momento como estamos vendo agora.

O que existe é a necessidade de mobilizar e organizar os trabalhadores e a população para derrubar Bolsonaro e a direita golpista. Com os trabalhadores mobilizados será possível derrubar Bolsonaro e garantir medidas mais eficazes para garantir condições dignas de sobrevivência da população em meio a pandemia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas