Repressão
Não existe “segurança pública”. O que existe é a organização da violência, pelo Estado, para reprimir, torturar e matar o povo negro, pobre e trabalhador
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Registro de uma "abordagem" policial | Foto: Reprodução

Em tempos eleitorais os bons jingles, lemas de campanha, e outras formas de enrolar o povo são produzidas industrialmente. Todo mundo, agora, defende saúde, trabalho, emprego e segurança, tanto a esquerda pequeno-burguesa quanto a direita. Até ontem, muitos estavam nas ruas pedindo a deposição de Dilma Rousseff e a prisão de Lula…

O que chama atenção, no entanto, é quando o debate das propostas tem como objetivo discutir a questão da chamada “segurança pública”, onde, por mais que apareçam propostas diferentes, ninguém toca no ponto central da questão: a repressão organizada contra o povo.

Não existe “segurança pública”, como querem apresentar os mais variados pré candidatos, de esquerda ou de direita. O que existe é a organização do Estado, controlado pela burguesia, para reprimir, torturar e matar o povo negro, pobre e trabalhador. É um problema de classe, e deve ser visto deste ponto de vista, e não do debate eleitoreiro besta de todas as eleições.

Não é preciso nenhum cientista ou especialista para chegar à conclusão de que, no Brasil, a repressão do Estado tem um alvo muito bem definido. As quase um milhão de almas do sistema carcerário, por exemplo, em sua maioria esmagadora, não possui alfabetização, é negra e pobre.

Isso sem falar das vítimas da Polícia Militar. Os mortos “em confronto” com a PM, os que foram mortos sem confronto e os que são executados sumariamente, como as quase 600 pessoas que a PM de São Paulo já matou este ano. Além dos desaparecidos pela PM, que ninguém vai saber, nunca, quantos foram ao todo.

Se é assim, uma violência organizada contra o povo, o sistema repressivo, a PM, simplesmente precisa acabar. Esse é o único debate de “segurança pública” possível. A dissolução da Polícia Militar, a debandada total, o fim dessa corporação e sua rotina macabra.

Vale mencionar que as forças de repressão estão sempre do lado dos poderosos, da direita. Sustentam o golpe de Estado, protegem a direita, os fascistas, e buscam controlar todas as manifestações, em absolutamente todos os estados da federação. A repressão política feita pelo braço armado do Estado é escancarada, e se apresentou em todos os acontecimentos no transcorrer do golpe de Estado. 

Essas são as funções da repressão, para isso que a PM existe, para isso que foram constituídas as delegacias de polícia, as penitenciárias. É um sistema, de conjunto, feito para esmagar o povo, seja em sua rotina, seja suas organizações, e, por isso, tem que acabar.

Não é possível aceitar outra forma de encarar o problema da repressão, pelo menos por parte das organizações de esquerda, democráticas. A simples existência da PM, o que ela faz, comprova que falta muito para uma sociedade minimamente civilizada. O fim da PM é uma questão democrática, de progresso civilizatório. 

Os candidatos e partidos que apresentam, a cada dois anos, outras saídas, outras alternativas para a questão, só estão fazendo demagogia, seja com o povo, seja com as próprias forças de repressão. Afinal, em tempos eleitorais, todo voto é válido, não importa de onde venha…

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje

Nenhum dado até agora.