Uma ferramenta da direita
A burguesia quer trocar Bolsonaro e substituí-lo pela direita tradicional, mais consequente nos ataques aos trabalhadores e de forma alguma querem Lula e o PT
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
freixo-e-paes-1280x720
A frente ampla que apoiou Paes (do DEM), uniu à extrema direita a esquerda para derrotar o PT | Foto: Reprodução

O segundo turno das eleições municipais evidenciou um aspecto fundamental da consolidação do regime erguido – ainda que de forma improvisada – a partir do golpe de Estado de 2016  e a liquidação total do Partido dos Trabalhadores, principalmente de sua principal liderança, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Isso como parte da político golpista – de caráter fascista – de reduzir drasticamente e, se possível, eliminar, a participação política dos trabalhadores no regime político.

Em um momento que a direita avança pesadamente contra as condições de vida de milhões de trabalhadores, multiplicando o genocídio na pandemia da covid-19 e pela fome diária de milhões de pessoas, ampliando – como nunca – o desemprego, expropriando os salários com a inflação e tudo mais que for preciso para “socorrer” os capitalistas em franca decadência, é preciso destroçar com toda possibilidade de reação da classe operária. Para isso, ter uma esquerda dócil e sem vínculos com a classe operária na “oposição” é uma questão decisiva.

Por isso mesmo, com toda a fraseologia em torno da importância de derrotar o bolsonarismo, a “selvageria” da extrema direita etc. O que não se viu nessas eleições foi a direita golpista, disfarçada de centro, apoiar o Partido dos Trabalhadores embora o inverso tenha ocorrido em muitos lugares.

Eles e seus aliados da “esquerda”, defensores da frente ampla com os golpistas, do PCdoB, do PSOL, da direita do PT e toda a esquerda burguesa (PSB, PDT etc.) preferem, por isso mesmo, Bolsonaro e seus “cachorros-loucos” aos petistas.

Eles até querem se livrar, de forma amigável (se possível) de Bolsonaro. Nada de impeachment, nada de deixar que ocorra qualquer mobilização contra o presidente ilegítimo que eles ajudaram a eleger, justamente para impedir a vitoria do PT. Querem trocar Bolsonaro, se possível em 2020, para substituí-lo pela direita tradicional, mas consequente nos ataques aos trabalhadores, mas não querem – de forma alguma – Lula e o PT.

Isso fica comprovado à exaustão nos caso de Recife e Vitória, entre muitos outros.

Na capital pernambucana, os golpistas da esquerda (como o PSB e PDT) e da direita, formaram uma vasta frente, com o apoio imprescindível do PCdoB para impedir a vitoria do PT, naquela que talvez tenha sido a mais férrea disputa desse processo eleitoral. o mais autêntico vale-tudo “bolsonarista” contra a candidata do Partido dos Trabalhadores, no Estado natal de Lula.

Em Vitória, não faltou apoio dos “progressistas” e “científicos”, dos “anti-bolsonaristas” ao candidato  bolsonarista, Delegado Lorenzo Pazolini (Republicanos), contra o candidato do PT, mesmo com toda a política de conciliação defendida e pratica por ele em sua trajetória política.

Obviamente que o mesmo não seu viu com os aliados da frente ampla. Com o PSOL – levado ao segundo turno por uma operação fraudulenta que lhe transferiu os votos do PT (que não foi denunciada e até foi apoiada por petistas), em São Paulo, não faltaram e não cessam de repercute rasgados elogios. Em Belém, os “socialistas com liberdade” mereceram o apoio de tucanos e direitistas de outras matizes para chegar ao governo.

O mesmo se deu com o PCdoB que, mesmo fraudado no resultado final em Porto Alegre e derrotado em “sua base” principal, o Maranhão, foi tratado como aliado preferencial pelos golpistas dos tradicionais partidos da direita que – de fato – venceram as eleições.

Esse senhores da esquerda que a direita gosta, elogia e quer ver substituindo o PT, são instigados a atacarem ainda mais o partido e o ex-presidente Lula, por um dos principais porta-voz do “Partido da Imprensa Golpita”, O Globo, que orientou até mesmo a direita do PT:

“PT deve cobrar de Lula fatura pelo desempenho eleitoral sofrível”

Consumada a fraude eleitoral em favor da direita, vem aí, com força ainda maior, uma nova ofensiva da direita contra as condições de vida das massas.

É preciso enfrentar esta ofensiva, superando a política de capitulação e colaboração com a burguesia adotada pela esquerda burguesa e pequeno burguesa defensora e praticante da política de frente ampla com a direita golpista como se viu explicitamente no processo eleitoral.

Denunciar o caráter reacionário do balanço da burguesia e dos seus aliados na esquerda, é parte fundamental desse enfrentamento.

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas