Menu da Rede

Anterior
Próximo

Macapá

Segundo turno confirma fraude eleitoral em Macapá

Direita utiliza série de manobras e se benecifica de apagão para tirar esquerda do segundo turno em Macapá.

Tempo de Leitura: 4 Minutos

Candidatos do 2º turno em Macapá, Dr. Furlan (esq.) e Josiel Alcolumbre (dir.). – Foto: Reprodução/Twitter

Publicidade

As eleições municipais de 2020 ainda não chegaram a um fim, ao menos no Amapá, estado que esteve sem fornecimento de energia devido à política criminosa de privatizações implementada no estado. O segundo turno ocorreu ontem, 20, de 7 a de 17 horas.

Os concorrentes ao pleito na cidade mais importante e capital do estado, Macapá, são Josiel (DEM) e Dr. Fulan (Cidadania), ambos representantes da direita. No primeiro turno, que ocorreu no início deste mês, João Capiberibe (PSB), que já foi prefeito de Macapá e governador do estado do Amapá, ficou em terceiro.

Apesar do segundo turno ser o assunto da vez, é necessário fazer a análise política do primeiro turno. João Capiberibe, o representante mais forte da esquerda, liderava as pesquisas em meados de outubro e, como num passe de mágica, em pouco mais de 10 dias, viu o segundo colocado, nas pesquisa, Josiel, quase dobrar suas intenções de voto. O que cria uma grande suspeita.

A fraude eleitoral contra João Capiberibe

João Capiberibe, apesar de não ser a pessoa mais à esquerda no país, possui um histórico que o separa dos candidatos da direita. Vale lembrar que ele é um candidato de origem operária, participou do congresso dos estudantes em Ibiúna (ao qual José Dirceu foi preso) e fez parte a Aliança Libertadora Nacional de Carlos Marighela, tendo sido também preso e torturado pela ditadura. É portanto um nome que difere do restante do PSB, um partido que na maior parte do País já se tornou um partido direitista, que apoiou o golpe e se alia com os partidos da direita burguesa.

Também é necessário salientar que sua mulher (Janete Capiberibe) e ele foram perseguidos pelos Tribunal Superior Eleitoral e por seu grande adversário no Amapá, José Sarney, chegando a terem seus mandados cassados por uma denúncia de compra de voto pelo valor de R$26,00.

Em 2010, teve sua candidatura impugnada ao senado pelo Amapá devido à Lei da Ficha Limpa, nos mesmos moldes aos quais Lula foi impedido de concorrer em 2018, porém graças a uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a aplicabilidade da Lei nas eleições de 2010, conseguiu sua diplomação como senador apenas em novembro de 2011, mais de 9 meses após os demais senadores. Isto mostra que a Lei da Ficha Limpa é uma lei extremamente demagógica e serve apenas para perseguir a esquerda, enquanto os políticos da direita são protegidos pela justiça.

Fica claro que montou-se uma operação para que João Capiberibe não fosse ao segundo turno. Isto foi facilitado, também, pelo adiamento da eleição devido ao “apagão” no Amapá, que permitiu à direita concentrar esforços para derrubar o candidato da esquerda nas eleições e garantir um “jogo de comadres” no segundo turno.

Democratas e a frente ampla avançam

O candidato mais favorecido é Josiel, mais um nome do Democratas. O irmão do presidente do Senado, David Alcolumbre (DEM), vence em todas as pesquisas contra Dr. Furlan, um dos candidatos postos na disputa para tentar retirar Capiberibe do segundo turno e garantir a eleição de Josiel.

Josiel é o representante máximo do golpe de 2016 na eleição de Macapá e figura chave do Democratas para construção da frente ampla. Como visto nestas eleições, o partido da ditadura militar, junto ao seu “irmão gêmeo”, Progressistas (PP), ganharam uma fatia bastante expressiva das prefeituras brasileiras.

A eleição de Josiel e outros nomes do DEM e do PP é a materialização do plano de Rodrigo Maia e ACM Neto, os dois líderes do Democratas, para construir uma base política e financeira para pressionar a esquerda a aceitar um candidato da direita em uma frente ampla contra Bolsonaro.

O plano executado claramente mostra que o objetivo do DEM é ganhar o maior número de prefeituras possíveis, seja por forças próprias quanto com o uso de legendas próximas como o PP. E isto tem o objetivo claro de construir uma organização de grande capilaridade, pois com o acúmulo massivo das máquinas estaduais e estaduais, esperam conseguir um resultado ainda mais favorável nas eleições de 2022, pois é mais do que sabido que quem controla a máquina estatal sai em grande vantagem nas eleições, especialmente dado o caráter restritivo e ditatorial da legislação eleitoral brasileira.

Boa parte dos municípios brasileiros são bastante ligados a atividades de latifundiários. Deste modo, controlar os municípios do interior permite, também, que os partidos da direita consigam financiamento ainda mais de suas campanhas. Não pode ser esquecido, que o setor do agronegócio continua a obter lucros em grande escala durante este período de pandemia.

Direita golpista a um passo de consolidar o golpe

Com a máquina eleitoral consolidada sob seu controle, seja pelo controle de estados e municípios, seja pelo controle das casas legislativas, e com a garantia de financiamento em escala massiva, a direita golpista constrói o ambiente quase ideal, pois, além disto, foi feito grande esforço para desvincular-se eleitoralmente de Jair Bolsonaro, odiado por grande parte da população.

Há de ser salientada, também, a campanha de destruição eleitoral do PT, a maior máquina eleitoral do país, e de seus aliados, seja com acordos com a direita do partido, como ocorreu na Bahia, quanto pela criação de “ídolos de barro” como Guilherme Boulos.

Com o enfraquecimento eleitoral da esquerda, tanto pela perda de cargos, quanto pelo impacto gerado pela cláusula de barreira, a direita planeja pressionar a esquerda eleitoreira a topar uma aliança sem contrapartidas. Todavia, a única chance disto materializar-se é se Lula não concorrer.

Por mais que a direita tenha aporte financeiro e político, ela sabe que Lula ainda é o maior fenômeno eleitoral e político já visto na história recente do Brasil. Se ele conseguir concorrer, colocará os planos de dominação total direita em risco.

Fraude no Brasil inteiro

A eleição em Macapá é tão fraudulenta quanto foi no restante do Brasil. No caso da capital do Amapá, a direita executou contra João Capiberibe a mesma estratégia utilizada em outras regiões do Brasil contra candidatos da esquerda, especialmente os do PT.

Por isso, deve-se analisar o processo eleitoral em Macapá com seriedade e tomando, como ponto de vista, o movimento político que está ocorrendo no Brasil todo. Não há casos isolados.

A única maneira de contornar o plano da direita golpista é o combate ferrenho à frente ampla. Portanto, deve-se realizar uma mobilização geral da esquerda contra a aliança com os golpistas através da melhor ferramenta que a esquerda tem no momento, a figura do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

OBS: Até o horário de fechamento desta matéria ainda não haviam sido publicados os resultados finais da apuração de segundo turno.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Populares na Rede
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTV

"Fora Bolsonaro": debate entre Rui Costa Pimenta e Breno Altman - Universidade Marxista nº 408

247 Visualizações 88 minutos Atrás

Watch Now

Send this to a friend