80 anos de sua morte
Neste 21 de agosto, completam-se 80 anos do assassinato de uma das figuras mais importantes da Revolução Russa
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pco
30ª Conferência Nacional do PCO | Foto: Diário Causa Operária

Neste 21 de agosto, completam-se 80 anos do assassinato de um dos mais importantes revolucionários que a história produziu: o ucraniano Lev Bronstein, mais conhecido como Leon Trótski. Os méritos de Trótski não cabem neste editorial, nem é nosso objetivo listá-los um a um, para não corrermos o risco de sermos injustos com o seu legado. Lembremos, ao menos, que o incansável militante do movimento operário nasceu em 1879, na pequena aldeia de Bereslavka, e iria participar ativamente das três revoluções russas, liderar o exército vermelho durante a guerra civil e reorganizar os militantes que chegaram à mesma conclusão sobre a burocracia stalinista: é preciso fundar, sob novas bases, a IV Internacional.

O assassinato de Leon Trótski a milhares de quilômetros da União Soviética, depois de ele próprio ter se exilado em inúmeros países e ter visto vários membros de sua família serem punidos, inclusive seu filho, Lev Sedov, é a prova de que o compromisso de Trótski com a revolução proletária mundial era inabalável. Apenas com sua morte a burocracia pôde frear seus esforços para derrubar os obstáculos contrarrevolucionários e levar os trabalhadores ao poder.

E se Trótski incomodava tanto, era porque, muito mais do que ser um intelectual de grande envergadura, tinha uma proposta bastante concreta contra a ordem vigente. Em todos os problemas fundamentais sobre os quais Trótski se debruçou — como a frente ampla, o surgimento do fascismo, a contrarrevolução, a burocratização da União Soviética e as guerras imperialistas — esteve sempre colocada a necessidade de se construir o partido revolucionário. Um partido verdadeiramente operário, que rejeite o revisionismo e que aponte claramente o caminho que os trabalhadores devem seguir em sua luta incessante para o socialismo.

É neste sentido que devemos entender o legado de Trótski. Ao contrário das organizações que hoje se dizem seguidoras da IV Internacional, mas que rejeitam a disciplina bolchevique, colocando seus ímpetos anarquistas acima de qualquer disciplina partidária, é preciso responder com a palavra de ordem de um partido centralizado, sobre a base de um programa marxista. Ao contrário das organizações que reivindicam o legado de Trótski e buscam justificativas para endossar a política de colaboração de classes, de modo a desfazer a pressão que a burguesia coloca sobre seus ombros, é preciso discutir a necessidade de formar uma frente única e operária contra o fascismo.

O Partido da Causa Operária reivindica para si o título de Partido quarto-internacionalista e é por isso que tem colocado em primeiro plano, diante de todos os acontecimentos, inclusive diante da ofensiva golpista da América Latina, a necessidade de colocar no centro do debate a mobilização da classe operária e a construção do partido revolucionário.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas