Siga o DCO nas redes sociais

Ameaça à soberania nacional
Secretário-geral da ONU ameaça soberania brasileira na Amazônia
Secretário Geral da ONU quer impor limites à soberania brasileira
CYFH3UCRQII6TPNXIT4URTAGAU
Ameaça à soberania nacional
Secretário-geral da ONU ameaça soberania brasileira na Amazônia
Secretário Geral da ONU quer impor limites à soberania brasileira
António Guterres, secretário geral da ONU.
CYFH3UCRQII6TPNXIT4URTAGAU
António Guterres, secretário geral da ONU.

O Secretário Geral da Organização das Nações Unidas, ONU, António Guterres, declarou na última sexta-feira, 20, durante um almoço na 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, que a soberania dos países deve ser respeitada, mas que os governos devem ter responsabilidades e limites. A declaração foi feita diretamente ao atual governo golpista brasileiro de Jair Bolsonaro devido aos incêndios ocorridos na Amazônia desde o último mês.

Guterres abordou a necessidade de se preservar as florestas no mundo, além do clima. Citou o Brasil e, não por curiosidade a China, dizendo que a ONU orienta os chineses a usarem menos carvão.

Trata-se obviamente de um discurso demagógico, o qual assim como fez o presidente francês, Emanuel Macron, quer utilizar os incêndios na Amazônia como um pretexto para uma intervenção estrangeira na região.

É preciso deixar claro, primeiramente, que a soberania nacional é um princípio de todo o país e não deve ser violada por nenhuma nação, ou organização estrangeira. Em segundo lugar, países como a França e organizações como a ONU não tem qualquer interesse em preservar a floresta brasileira, estão interessados em abrir caminho, por meio do discurso ecológico, para que as empresas estrangeiras, ligadas à mineração, à indústria farmacêutica, entrem no país e explorem ainda mais nossas riquezas em benefício dos capitalistas estrangeiros.

A declaração de Guterres consiste em uma ameaça à soberania do país, da mesma forma que a fala de Macron no último mês. É preciso defender a soberania nacional, denunciar os interesses predatórios do imperialismo na Amazônia, assim como o governo capacho dos norte-americanos, de Jair Bolsonaro, o qual por meio de um falso discurso patriótico, quer entregar as riquezas do país para os EUA.

É preciso mobilizar a população pela derrota do governo golpista, por meio da palavra de ordem de Fora Bolsonaro! Se opor também a interferência estrangeira, levantar a palavra de ordem de Fora Imperialismo!