Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
os-trabalhadores-nao-querem-esmolas-1024x585
|

Os trabalhadores do frigorífico Seara Alimentos, empresa do grupo JBS/Friboi, localizado no município de Osasco, região oeste da grande São Paulo estão sendo tratados como cachorros.
Há uma semana, os trabalhadores foram dispensados pela fábrica por falta de matéria prima e, nesta sexta-feira (01/06) tinham sido convocados para retornar ao trabalho. Ao chegar deram com a cara na porta.
Ao chegarem para trabalhar, os operários foram novamente dispensados do trabalho pelos donos do frigorifico, no entanto não há nenhuma explicação, simplesmente mandaram os trabalhadores voltarem para casa.
Os patrões, apesar de serem responsáveis pela dispensa dos trabalhadores, já disseram, anteriormente, que os seus funcionários (trabalhadores do setor da carne de boi), produtores de hambúrgueres para o MacDonald’s, terão de compensar os dias.
Os dias 25 e 28 de maio que não houve trabalho já foram marcados para serem compensados em dois sábados de junho, sendo os dias 09 e 16. Os demais dias em que não houve trabalho, os donos do grupo JBS/Friboi ainda não disseram o que vão fazer e muito menos quando voltarão a trabalhar.
Apesar de serem os patrões quem dispensaram os seus funcionários, os trabalhadores poderão sofrer punições, tais como, advertência, suspensões e demissões sem os direitos, mesmo que eles não tenham nada a ver com ocorrido.
Os representantes do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Carne, Derivados e do Frio no Estado de São Paulo estiveram na porta da fábrica e conversaram com os trabalhadores, distribuíram o boletim Faca Afiada, onde explicava que a atitude da empresa em impor o banco de horas a seus funcionários é totalmente irregular, pois a Convenção Coletiva da categoria não consta nenhuma cláusula que permita aos frigoríficos a sua implementação.
Foi marcada uma reunião com os trabalhadores para discutir sobre esta e outras questões, como as condições de trabalhado dentro da fábrica, bem como o aumento do convênio médico de 15%.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas