Chilenos dão o exemplo de luta
O Chile, contrariando a política do governo golpista, e que usa o isolamento social para desarticular a população, faz uma grande mobilização nas ruas contra a repressão.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
chile
Manifestantes na Plaza Dignidad, em SanTiago. |

Os chilenos organizaram um protesto, no último dia 27, que mobilizou as bases sociais, em vários setores, províncias e regiões, praticamente sem a imprensa, quase sem propaganda, sem suas lideranças mais conhecidas, mas por contato direto entre as pessoas por telefone mesmo, e contando apenas com o boca a boca e a indignação de um povo em resistência e rebelião, 

Esse isolamento dos partidos políticos se dá porque o governo, os partidos de direita, em conjunto com a Concertación e a Frente Amplio, grupos do Centrão do Chile, não medem esforços para salvar o sistema de exploração, miséria e morte, tentando retornar à sua “normalidade” anormal, o povo do Chile Ele lhes deu outra lição de dignidade.

A expressão de repúdio generalizado a uma instituição policial que, historicamente, agiu a favor dos empresários capitalistas como seu braço armado, bombou nas redes sociais, incluindo o Twitter, com amplas repercussões em quase todas as cidades do país.

Foram muitos gritos e palavras de ordem contra as forças repressivas, rechaçando não só a violência policial, mas também às políticas do governo e da oposição que estão mais uma vez dispostas a trair o povo, concordando com os empresários sobre como salvar o sistema.

As cidades de Antofagasta, Iquique, Valparaíso, Curicó e Santiago, se destacaram por suas ações de protesto e repúdio a uma política projetada e adaptada aos grandes capitalistas.

Em Santiago, as pessoas ocuparam a Praça Dignidad, novamente receberam uma resposta repressiva da força da polícia fascista e pelega, a serviço do regime capitalista, levando a várias prisões, entre as quais se destaca o médico Pablo Sepúlveda Allende, neto do ex-mártir Salvador Allende.

Em um momento em que a crise capitalista chega a um ponto de saturação, e agora é agravada intensamente pela pandemia do coronavírus, se desponta no horizonte o desmoronamento dos regimes políticos, produto dos golpes de estado nos países latino americanos, em que, a maior parte da esquerda, ao invés de ocupar os espaços e liderar a povo oprimido, se articula com uma frente ampla e em um Centrão, a pretexto de reunir todos para atacar o governo, se alia à direita, o mesmo grupo que elegeu o presidente golpista, para derrubá-lo e intensificar uma agenda de trabalho da direita e não da esquerda.

Mesmo diante dessa traição da esquerda, e apesar da pandemia estar sendo usada como arma repressiva para impedir protestos e rebeliões, os chilenos logo entenderam que, se o governo forçar a trabalhar sem condições sanitárias postas ao dispor da população, apesar da pandemia, também autorizam protestar, dando o exemplo a ser seguido por todos nós.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas