Brasil à beira do colapso
Repetidamente, os ideólogos da esquerda pequeno-burguesa declaram que Bolsonaro é uma ameaça à humanidade, mas se recusam a derrubá-lo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolso
Presidente ilegítimo Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução |

Por Victor Assis

Nas vésperas das eleições de 2018, fomos obrigados a testemunhar os atos do #EleNão, organizados pela burguesia como última tentativa para viabilizar a fracassada candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República. Os atos não impediram que Bolsonaro garantisse uma votação expressiva para o segundo turno e, posteriormente, vencesse as eleições fraudadas daquele ano. Contudo, serviram como um grande ensaio para que a burguesia encapsulasse frações significativas da esquerda nacional em uma frente ampla com setores da direita, como Fernando Henrique Cardoso e Rachel Sheherazade.

Ali, abandonou-se por completo uma série de conclusões importantes que a experiência da luta contra o golpe haviam imposto. A luta de classes foi substituída pela luta do bem contra o mal e os golpistas, que outrora estavam tramando a derrubada de Dilma Rousseff e a prisão de Lula, se tornaram valorosos aliados na luta contra o maligno Bolsonaro.

Tal concepção, ardentemente defendida pelos intelectuais da esquerda pequeno-burguesa, era absurda e criminosa — afinal, os interesses dos trabalhadores não podem ser conciliados com os interesses da burguesia. O tempo, no entanto, mostrou que, além de absurda e criminosa, tal posição não passava de uma farsa.

Os novos aliados da esquerda na luta contra o fascista Bolsonaro eram ninguém menos que o famoso centrão — isto é, os políticos e partidos tradicionais da burguesia, principais responsáveis pela aplicação da política neoliberal nos últimos anos e base de sustentação do governo Bolsonaro. Inimigos, por definição, dos trabalhadores.

Na medida em que a crise do regime foi se aprofundando, o apego à burguesia se mostrou mais fiel. É tanto que ontem (6), em meio ao pior momento do governo Bolsonaro, no início de uma pandemia que deverá deixar milhares e milhares de corpos para trás, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) estava lançando a palavra de ordem de Fica Mandetta. Isto é, defendendo explicitamente que o ministro direitista Luiz Henrique Mandetta, ex-deputado do DEM e executivo da Unimed, que não esta fazendo absolutamente nada para evitar que o coronavírus mate uma parcela expressiva da população, permanecesse em seu cargo.

Ao mesmo tempo em que a esquerda pequeno-burguesa foi se mostrando mais dependente da burguesia, ao mesmo tempo em que os gritos de golpista e xingamentos foram dando lugar a abraços fraternais — pelo Twitter, obviamente —, a oposição ao governo Bolsonaro foi ficando cada vez mais diluída. A cada semana que se passou das eleições de 2018, percebeu-se nitidamente, que a vontade política de derrubar o governo era cada vez menor.

O problema, no entanto, é que, diante da quantidade de ataques que Bolsonaro já disparou contra a população e do nível de revolta em que os trabalhadores se encontram, a única maneira de ser contra o governo Bolsonaro é lutar para a sua derrubada. Dito em outras palavras: ser contra o governo Bolsonaro, ter a compreensão de que o governo Bolsonaro é uma ameaça à vida dos trabalhadores, é lutar para que ele caia imediatamente.

Bolsonaro é um representante direto da burguesia — a última alternativa encontrada que os capitalistas encontraram para derrotar eleitoralmente o Partido dos Trabalhadores (PT). Nesse sentido, sendo um representante dos piores inimigos dos trabalhadores, que querem saquear o Estado enquanto o povo morrerá de fome, é e será diretamente culpado pelo desastre que o Brasil deverá testemunhar em um período muito próximo.

Contudo, é preciso ter claro que Bolsonaro só recebeu poderes para tal — e continua tendo — porque não há uma política séria, consequente, por parte das direções das principais organizações da esquerda nacional para derrubá-lo. É preciso, portanto, passar já para essa posição. Ser contra Bolsonaro é mobilizar os trabalhadores, de maneira independente da burguesia, pelo Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas