Violência policial
Na cidade de Guabiruba (SC), policiais militares atacam a população e têm sua ação criminosa defendida pelo comandante
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Agressão policial em Guabiruba (SC)
Cena do episódio regristrado em vídeo | Foto: Reprodução

Um vídeo circula nas redes sociais exibindo cenas de violência policial contra a população, dessa vez na cidade catarinense de Guabiruba. Na noite do último sábado (1), Policiais Militares abordaram uma festa em um quiosque da cidade armados com fuzil. Indignado com a truculência dos policiais, um dos presentes os chama de “covardes”, o que desencadeia um espancamento dos presentes por obra dos policiais.

Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=qDkvHssiF24

Esse tipo de comportamento é absolutamente ditatorial. Primeiramente, se alguém tem um comportamento questionável, ainda mais em se tratando de um funcionário público, como é o caso de policiais, cabe o questionamento de suas ações. O expediente de considerar “desacato” o mínimo questionamento às ações policiais significa que a população deveria aceitar passivamente os comportamentos psicopatas dos policiais brasileiros. Em segundo lugar, o quê exatamente estavam fazendo policiais armados com um fuzil, um armamento de guerra, em meio a uma situação corriqueira de conflito social?

Mais grave ainda é o fato do comandante defender a ação criminosa dos psicopatas sob o seu comando. Como se pode constatar no vídeo, o policial dá um soco no estômago de um homem aleatoriamente escolhido, depois dá coronhadas em um outro com um fuzil. A cena, absolutamente escatológica, é defendida pelo comandante do 18º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Otávio Manoel Ferreira Filho.

“Antes de analisarmos a atitude e ação policial, temos que analisar sim o erro das pessoas irresponsáveis e que cometeram ato ilegais de promoverem um evento que está proibido por decreto estadual e municipal, além da perturbação do sossego. sse é o foco principal e não podemos nunca deixar de ver o foco principal”. Segundo o comandante, portanto, o fato mais relevante do episódio, o “foco principal”, não é policiais militares espancarem a população armados com fuzis, mas o fato de algumas pessoas terem se reunido para confraternizar. O que fica subentendido de forma macabra dessa fala é que contrariar um decreto é algo ilegal, mas aparecer armado com fuzil e espancar a população é algo absolutamente natural.

“Não estou dizendo que os atos praticados pelos policiais foram corretos, ou foram adequados, ou se foram legais. Eu teria que analisar de forma muito mais ampla o contexto geral”. Nessa fala, o comandante se esquiva de condenar a ação dos policiais, recorrendo a um metafísico “contexto geral”, que teria que ser analisado “de forma muito mais ampla”. Mais adiante, o tenente-coronel Otávio afirma que “entendo eu que quando o policial toma uma atitude mais enérgica e contundente, nada é por acaso. Deram causa”. Ou seja, o comandante insiste em defender a ação criminosa de seus comandados, o que torna ele próprio um criminoso.

Como é praxe nas polícias militares, o comandante afirma que “cabe a nós abrir procedimento, apurar”, referindo-se à ação dos policiais. A depender do histórico das polícias, essa “apuração” nunca será algo além dessa frase. O que as falas do comandante revelam é que, longe de constituírem desvios individuais de conduta, a ação criminosa das polícias militares contra a população é a finalidade, a razão de ser dessa burocracia.

Em todos os episódios de brutalidade contra a população, os policiais são protegidos pela corporação, pois o que existe ali é uma cultura da repressão e da violência desmedida que tem sua justificativa no papel da PM dentro da sociedade capitalista: impedir o desenvolvimento da democracia operária, aterrorizar a população, defender a propriedade privada capitalista e impedir o acesso das massas ao poder político. Por isso, a PM é a ponta-de-lança da contrarrevolução, e portanto nunca poderá desempenhar um papel que não o de massacrar o povo brasileiro.

O discurso de que a PM “combate o crime” é ridículo. Em primeiro lugar, como podemos verificar nesse vídeo, os próprios policiais são criminosos, agressores e assassinos. As polícias são publica e notoriamente envolvidas no tráfico de drogas e de armas, além de extorquir comerciantes em todo o país. Além disso, em alguns lugares do país, como no Rio de Janeiro, a polícia montou esquemas paramilitares de controle territorial, as famosas “milícias”, ligadas inclusive ao presidente golpista Jair Bolsonaro. Ou seja, o discurso de “combate ao crime” é apenas uma peça ideológica propagada pela imprensa burguesa para que a população seja condescendente com seu próprio massacre.

Por tudo isso, o PCO defende o fim da Polícia Militar, pois essa organização representa o exato oposto à luta pelo socialismo e pelo governo operário, massacrando o povo brasileiro, em especial o povo negro, e reprimindo todas as iniciativas políticas da classe trabalhadora. As polícias militares são verdadeiros celeiros de fascistas, e portanto devem ser destruídas pela classe operária para que seja possível a libertação do jugo burguês.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas