Mais genocídio
Governador João Dória pressiona pela reabertura das atividades em São Paulo, apesar da situação de calamidade.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Coletiva de imprensa sobre Coronavírus
Governador do Estado de São Paulo, João Doria, durante Coletiva de imprensa sobre Coronavírus

Local: São PauloSP. Data: 08�42020

Foto: Governo do Estado de São Paulo
Governador João Dória, em sua fase "científica" e "civilizada". | Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governo de São Paulo iniciou a reabertura das atividades comerciais em larga escala no estado inteiro. Apesar da pandemia bater recordes diários de mortos, o antes “científico” e “civilizado”, João Dória, parece estar pouco ligando para isso e pressiona a reabertura de tudo que for possível.

Desde o início da pandemia, o Partido da Causa Operária (PCO), através da sua imprensa, operária e independente, analisou, de forma correta, que a política de governadores e prefeitos pelo isolamento nada tinha de científico. Tudo não passou de uma manobra da direita golpista para se desvincular, em alguma medida, da extrema-direita bolsonarista, que estes mesmos ajudaram a subir ao poder.

O que se tem, passados 5 meses desde o início do furor demagógico pelo isolamento, é um cenário onde os governadores e prefeitos “cederam”, e estão a autorizar a reabertura. Para isso, até mudou-se a forma de mensurar o impacto da pandemia. Quando os governadores e prefeitos eram incapazes de fazer leitos de UTI, a pandemia era medida pela capacidade de transmissão de um indivíduo para os demais (1 doente infecta X pessoas saudáveis). Agora, quando os leitos se multiplicam (mesmo que estes leitos não passem de simples macas, sem profissionais de saúde, equipamentos e medicações), os governadores e prefeitos mudam o cálculo para a proporção de leitos ocupados.

A mudança na forma de mensuração não passa de demagogia grosseira e tem não apenas o objetivo de atender aos capitalistas, mas dar um ar de “normalidade” no período das eleições municipais. O “plano” sempre foi esse.

No caso do estado de São Paulo, a situação é ainda pior. Em 27 de julho, ou seja, há menos de um mês atrás, o bolsonarista João Dória chegou a relaxar até mesmo os poucos critérios para reabertura. O governador, apoiador do golpe, passou de 60% para algo entre 70% e 75% dos leitos ocupados para que seja possível os municípios alcançarem a “fase verde”.

Os municípios paulistas encontram-se nas fases “amarela” e “laranja”, isto significa que possuem taxa de ocupação acima de 75%. Nota-se, aí, que os próprios critérios estabelecidos para a reabertura são uma verdadeira fraude. A taxa de ocupação de leitos é altíssima e qualquer novo pico de infecções, que deverá ocorrer, se o governo conseguir reabrir as escolas, poderá levar a um colapso do sistema público de saúde.

É inconcebível que durante o aumento de mortes, São Paulo e os demais estados reabram todas as atividades. Fica saliente que os governadores e prefeitos são tão genocidas quanto Bolsonaro e que estão pouco ligando para a população. Portanto, é hora da esquerda abandonar a inércia a qual se submeteu por vontade própria e liderar a mobilização da população para derrubar Bolsonaro e seus apoiadores genocidas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas