Na fila para ser canonizado
A luta contra o coronavírus apresentou ao Brasil (quiçá ao mundo, veremos) um novo candidato… não só à presidência da República, mas também à santificação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
São João Doria da Vacina
(...) e ao ser picado, S. J. Doria ascendeu ao Planalto (...) [Tucanos 45, 171] | Montagem sobre frame de reportagem televisiva
Prova do milagre
Na matemática de São Doria da Vacina, 433.739 não foi o suficiente… A fé em seu futuro mandato o elevou a 433.739.000

Cinquenta e dois candidatos podem ser deixados para trás quando João Doria furar a fila e tiver seus milagres atestados pelo Vaticano antes dos demais governantes brasileiros. Esses 52 bem-aventurados que estão esperando o aval de sua santidade podem ter que esperar mais um pouco para apensarem a seus nomes o prefixo “santo” ou “são”. Os milagres de São João Doria (que me perdoem a heresia por conferir-lhe o título antes que o santo padre o faça), bem como sua sabedoria e benevolência, são comprovados diariamente pela imprensa burguesa que se converteu em “dorista” já há muito tempo.

O feito mais recente de São Doria, a vacina, se desdobrou em uma onda de milagres nunca vistos. Desafiando façanhas com pães e peixes, Doria, ouso dizer, fez mais: multiplicou e dividiu uma vacina que não existe. Transformou uma amostra grátis importada em produto nacional de larga escala. Salvou todo o povo brasileiro com uma câmera fotográfica e uma simples ampola concedida a ele a título de degustação. Fê-la circular o país inteiro e, mesmo que não chegassem mais de 10 unidades em alguns recantos escondidos de nossa terra, sua palavra garantiu paz e tranquilidade: fará mais pelo Brasil do que já está fazendo pelo povo paulista quando o elegerem presidente. Esta promessa vem a nós pela palavra dos profetas impressos e elétricos, que anunciam que Doria está prestes a livrar o Brasil de todo o mal.

Mas seus milagres não se reduzem apenas a proezas matemáticas. No limiar entre ciência e fé, São Dória garantiu ao povo de seu Estado que trabalhar os livraria da doença e, ao mesmo tempo, combateu a preguiça e a ociosidade mostrando o caminho do inferno aos infiéis que ousassem festejar o fim do ano. Fez o vírus desaparecer sem álcool gel e testes e a doença deixar de se propagar e clamar vidas durante a campanha eleitoral.

São Doria protagonizou ainda uma passagem importante da teologia. Dizem alguns apócrifos que Doria nem sempre foi benévolo e providente. Teria chegado às alturas de onde fala hoje a todo o Brasil trilhando o mesmo caminho que levou seu antagonista ao Planalto. Dizem alguns que Doria foi uma vez um demônio e que juntou-se a “você sabe quem”, mas, diferentemente de Lúcifer, ascendeu do inferno à terra para reinar em paz os paulistas com asas e auréola.

É assunto controverso entre jornalistas, colunistas e editorialistas – esses profetas e teólogos do presente. Sabem, no entanto, perfeitamente conviver com a santa contradição. Não há mal que intimide Doria, pois do mal conhece profundamente. Doria é bem e mal. É Bolso e… Doria.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend