Salvador: PM atira contra operário e fabrica história para justificar

20090909MS

Recebeu alta médica nesta quarta-feira (27) o operário Edmilson Conceição dos Santos, de 35 anos que foi vítima da ação assassina da PM no Estado da Bahia. O caso ocorreu no dia 23 de Junho, véspera do Dia São João, no bairro de Fazenda Coutos 3 em Salvador.

Edmilson e os vizinhos estavam comemorando o São João, manifestação da cultura popular brasileira, como de praxe, quando os assassinos da PM baiana entraram no bairro atirando, o operário foi atingido duas vezes, na perna e na virilha, isso na porta de sua casa.

A população revoltada com tamanha barbárie protestou e expulsou os assassinos fardados  de lá. Com a maior desfaçatez a policial militar baiana afirmou que a “operação” se deu a partir de denúncias e que os policiais relataram que ao adentrarem no bairro foram recebidos a bala e por isso revidaram. Uma mentira torpe, atiraram contra a população; contra  Edmilson apenas por serem negros e pobres.

Edmilson foi um sobrevivente, passou por cirurgia e ficou cinco dias internado, recebeu alta e passa bem. Esse não foi, porém um ataque isolado, nos últimos dias a Polícia vem atacando sistematicamente, em operação orquestrada, a população pobre e negra de Salvador.

No dia 16 deste mês a Polícia matou o jovem motoboy  Douglas Andrade dos Santos (20) com um tiro na nuca em Bom Jesus do Retiro. Executaram-no e depois forjaram troca de tiros, as câmeras, no entanto os denunciaram comprovaram a fraude e a execução.

Também em Junho no dia 8, policiais deixaram um adolescente de 16 anos tetraplégico, devido a um tiro nas costas, isso no bairro de Pernambués. Participava de uma queima de fogos quando foi alvejado pela Polícia.  

A Polícia em geral e em particular a militar são organizações criminosas, ilegais, alicerces do fascismo e da extrema direita e da burguesia. São grupos de extermínio que atuam, a revelia de qualquer lei, contra a população pobre, negra e operária deste país a mando da classe dominante, da burguesia golpista e da extrema direita. Não há como falar em direitos democráticos com a existência de tais grupos que a agem à luz do dia. A extinção total e completa das polícias, dos assassinos do povo é um imperativo para qualquer concepção política minimamente  democrática. É uma bandeira fundamental da luta democrática e popular do país.