Rússia ridiculariza prova sobre caso Skripal apresentada pela Inglaterra

yulia-sergei-skripal

Moscou, 23 nov (Prensa Latina):

A Rússia ridicularizou hoje as supostas provas apresentadas por Londres, em uma tentativa por demonstrar o envolvimento de dois cidadãos deste país no suposto ataque químico contra o ex-agente Serguei Skripal.
Realmente, desfrutei os curta-metragens e documentos sobre a paisagem da cidade inglesa de Salisbury e duas fotografias de simples frascos plásticos, ironizou a porta-voz da Chancelaria russa, María Zajarova.

Ontem, Scotland Yard mostrou materiais dos russos Alexander Petrov e Ruslan Boshirov com frascos plásticos na mão e disseram que foram usados para envenenar Srkipal, algo considerado por Zajarova como um argumento ridículo.

De acordo com a porta-voz, a nova tentativa do projeto midiático Bellingcat pretende desviar a atenção para proteger a primeira ministra Theresa May das consequências negativas do tema do Brexit e da possibilidade de sua demissão desse cargo.

Isso parece um pouco banal, mas fazem como podem, comentou a diplomata russa na sua conta do Facebook, ao lembrar assim as manipulações do caso de Skripal por Londres e a apresentação de Petrov e Boshirov como agentes da inteligência militar russa.

Ambos cidadãos russos declararam à Russia Today que eram dois empresários que viajaram a Salisbury em qualidade de turistas, mas Londres afirma o contrário, mesmo sem apresentar qualquer prova.

A Rússia exige que o Reino Unido mostre dados concretos de sua suposta culpabilidade no caso Skripal, que apareceu, junto a sua filha Julia no último dia 4 de março, inconsciente em um parque de Salisbury.

As autoridades britânicas imediatamente acusaram Moscou de estar por trás do incidente, ocorrido a poucos quilômetros dos laboratórios de Port Down, onde são testadas substâncias fatais.

Moscou exige que seja divulgado como Londres estabeleceu o antídoto adequado, aplicado a Skripal para deixá-lo com vida, depois de um suposto ataque com uma arma química, e exigiu que declare se conta com substâncias de amostra parecidas à que foi usada no caso.

Os vídeos foram apresentados às vésperas da discussão na União Européia do projeto de Brexit (saída do Reino Unido dessa entidade regional), um tema que analistas afirmam colocar em perigo a permanência de May em seu cargo.