Opositor teria sido envenenado
Moscou sofre uma pressão intensa da campanha imperialista por sua desestabilização
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Emmanuel_Macron_and_Vladimir_Putin_(2019-06)_03
Dmitri Peskov, último da direita para a esquerda, junto com Putin e Serguei Lavrov | Foto: Kremlin.ru
A Rússia prometeu hoje dar uma resposta de acordo com seus interesses nacionais à decisão da União Europeia (UE) de impor-lhe sanções em relação ao suposto envenenamento do oponente Alexei Navalny.

 

Este é um passo conscientemente antipático por parte da UE. O triste desta história é que não há absolutamente nenhuma lógica na decisão do Conselho sobre esta entidade da UE, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

A porta-voz da Chancelaria russa, Maria Zakharova, lembrou que seu país havia advertido a UE sobre as consequências negativas para os laços bilaterais da imposição de restrições unilaterais no caso Navalny, que havia sido admitido em uma clínica em Berlim.

A UE anunciou a imposição de sanções contra seis personalidades russas, incluindo o chefe do Serviço Federal de Segurança Alexei Borotnikov, o chefe adjunto da administração presidencial Serguei Kirienko e outros quatro altos funcionários.

Zakharova disse que Moscou daria a devida resposta à UE para as sanções anunciadas em relação ao caso Navalny e à Líbia, um país bombardeado pela Organização do Tratado do Atlântico Norte em 2011 e agora em plena guerra interna e ataques terroristas.

Ela disse que não há provas da responsabilidade da Rússia no caso Navalny, que foi tratado com urgência na província russa de Omsk, após um voo interno para lá. Ele foi então transferido para uma clínica em Berlim, a pedido do governo alemão.

As autoridades alemãs anunciaram que seus laboratórios militares haviam encontrado vestígios de uma substância apelidada de Navichok no Ocidente e acusaram a Rússia de um ataque químico, algo que Moscou nega fortemente e exige provas e cooperação dos órgãos judiciais alemães.

Comentando as sanções, Zakharova perguntou quando Moscou desapontou politicamente os parceiros da UE, quando cortamos o fornecimento de gás ou fomos desorganizados no campo da diplomacia energética, disse a porta-voz.

Durante décadas fornecemos recursos energéticos e fomos confiáveis apesar do fato de não só termos mudado o nome, mas também a ordem política na Rússia. Os recursos, como eram fornecidos antes, são fornecidos agora, lembrou ela.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas