Cooperação com os russos
A pedido do governo da República Centro-Africana, a Rússia enviou 300 instrutores militares após uma tentativa de golpe antes das próximas eleições.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
5e5f0d13286ff.image
Rebeldes armados na República Centro-Africana | Reprodução

A pedido do governo da República Centro-Africana, a Rússia enviou 300 instrutores militares após uma tentativa de golpe antes das próximas eleições.

“Para ajudar Bangui a reforçar as capacidades defensivas da República Centro-Africana [CAR], a Rússia respondeu rapidamente à demanda do governo [centro-africano] e enviou 300 instrutores adicionais para o treinamento do Exército nacional”, disse o ministro russo da Relações Exteriores, Sergey Lavrov, em um comunicado.

Nesta segunda-feira, 21, o governo de Bangui declarou que a Rússia e Ruanda enviaram tropas e suprimentos para apoiar o presidente centro-africano Faustin-Archange Touadéra, no âmbito de um acordo de cooperação bilateral existente. Por parte do governo russo, a ajuda ao país africano busca dar abrigo do referido pacto e a estabilizar a situação interna do país.

Ratificando o acordado, o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Bogdanov, disse que as eleições presidenciais na República Centro-Africana ocorrerão conforme planejado, isto é, em 27 de dezembro, apesar de “forças destrutivas” tentarem “interrompê-los”. O Kremlin, por sua vez, já havia alertado quanto aos aportes enviados do exterior aos grupos rebeldes, abastecendo-os de maneira satisfatória e que tinham como objetivo “interromper o processo eleitoral”. A República Centro-Africana tem protagonizado uma série de episódios de violência e confusão no processo de transição desde o final de 2013, quando grupos armados cristãos iniciaram uma campanha de terror contra o povo muçulmano de Séléka, resultando na derrubada do governo de François Bozizé em março de 2013.

À época, os depoimentos de Bozizé incendiaram a situação política nacional acirrando os confrontos entre os grupos armados até que a Organização das Nações Unidas (ONU) decidir pela proibição de todos os seus países membros de fornecerem qualquer tipo de armas e munições ao governo do país. Ademais, a Missão Integrada Unidimensional das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (MINUSCA, em francês) foi colocada em prática para normalizar a situação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas