Rússia entrega sistema antimísseis à Síria em resposta a ataque israelense

dbd163de87ca845af95355c14738cf1d

Da redação – O ministro da Defesa da Rússia, Serguei Shoigu, anunciou nesta segunda-feira (24) o envio para a Síria de um sistema antimísseis S-300 dentro de duas semanas.

O anúncio veio uma semana após o ataque aéreo israelense próximo à base russa de Latakia, na costa síria, no qual a defesa síria reagiu e acabou derrubando um avião russo atrás do qual a força aérea israelense estava se escondendo.

Tal acontecimento abriu uma grande tensão nas relações entre Rússia e Israel. Shoigu, em seu anúncio de hoje, declarou que, “perfeitamente conscientes da situação aérea, as tripulações israelenses utilizaram como escudo o avião russo, o que derivou em sua derrubada e na morte de 15 militares”.

Completou que o ataque “obriga a tomar medidas pertinentes para incrementar a segurança dos efetivos russos que estão lutando contra o terrorismo internacional na Síria”.

A Rússia deveria ter entregue o sistema S-300 à Damasco em 2013, mas, atendendo aos pedidos de Israel, ela não o fez. Entretanto, a ação de enviá-los agora é uma clara resposta à postura imperialista do Estado sionista, que bombardeia o país árabe quase todas as semanas com a desculpa de destruir posições iranianas e do Hezbollah que haveriam em território sírio. “Agora a situação mudou, e não é culpa nossa”, disse o ministro russo.

O sistema de defesa S-300 ajudará a Síria a proteger seu território de futuros ataques e, segundo analistas, também aumentará a segurança da região. Outros especialistas acreditam que Israel ainda poderá tentar impedir o fornecimento do sistema à Síria.

Em conversa telefônica com o presidente russo Vladimir Putin, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse que a resposta russa irá aumentar os perigos nessa região do Oriente Médio, o que pode ser entendido como um aviso de que Israel fortalecerá sua Defesa para continuar agredindo a Síria.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também declarou hoje que discutirá com seu homólogo russo, o ministro de Relações Exteriores Serguei Lavrov, sobre a venda do S-300 à Síria, no âmbito do 73º Período de Sessões da Assembleia Geral da ONU, que ocorre nos próximos dias em Nova Iorque.