Rússia condena método de intervenção “humanitária” que EUA poderiam usar na Venezuela

venezuela12

Caracas, 20 Mar. AVN – A Rússia não vai aceitar uma intervenção humanitária dos Estados Unidos (EUA) na Venezuela, declarou o vice-chanceler russo Serguei Riabkov ao final da reunião que manteve com o enviado especial do governo de Donald Trump para a Venezuela, Elliot Abrams.

“Não aceitamos o conceito de intervenção humanitária, idealizado há anos por iniciativa dos EUA e que, a nosso parecer, poderia  se implementar na Venezuela”, afirmou Serguei Riabkov, citou nessa terça-feira Sputnik.

As “intervenções humanitárias” foram utilizadas como ferramentas políticas pelos EUA para intervir militarmente em diversos países, como na Somália (1993), Iugoslávia (1999), Iraque (2003), Líbia (2011).

Riabkov destacou que a Rússia seguirá se oferecendo como mediadora nas conversações sobre a Venezuela.

A reunião entre o vice-chanceler russo e Abrams estava prevista para essa terça em Roma, na Itália.

Riabkov disse na segunda-feira que o encontro condenaria as pretensões do império estadunidense de intervir militarmente no país sul-americano, assim como as pressões da administração Trump contra o governo constitucional do presidente Nicolás Maduro.

“Temos uma série de propostas para levar ao conhecimento da parte estadunidense, sendo o central que resultam inaceitáveis uma intervenção militar por parte dos EUA, inadmissíveis outras formas de pressão sobre o governo legítimo em Caracas”, disse Riabok.