Análise Política na TV 247
A eleição de Joe Biden criou uma certa ilusão com seu governo pela derrota de Donald Trump, mas a verdade é que Biden e Harris representam o que há de pior na política mundial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
rui costa pimenta marxismo
Rui C. Pimenta comenta sobre os fatos mais importantes da semana todas as terças às 16h | Foto: DCO

Na última semana, vários acontecimentos da política internacional ganharam destaque nos noticiários e estes foram explicados e analisados pelo ponto de vista marxista por Rui Costa Pimenta no programa Análise Política da TV 247, na última terça-feira (10). A posse de Luís Arce e a volta de Evo Morales a Bolívia, o impeachment de Martín Vizcarra no Peru e, principalmente, as eleições dos Estados Unidos e a vitória de Joe Biden foram os principais acontecimentos abordados na análise.

Luis Arce: a volta da democracia na Bolívia?

Após a posse de Luís Arce no último domingo (8) e a volta de Evo Morales à Bolívia depois do golpe de Estado, criou-se uma falsa ilusão, principalmente da esquerda pequeno burguesa, de que essa seria a volta da democracia ao solo boliviano, o que não é. O golpe de estado na Bolívia orquestrado pelo imperialismo e a burguesia boliviana é mais um episódio de uma onda de golpes que derrubaram governos de esquerda frutos da mobilização da classe operária em toda a América Latina, como por exemplo na Argentina, Equador, Venezuela, Bolívia. Não é do interesse do imperialismo que essa situação do golpe seja revertida, inclusive o interesse era de que os regimes ficassem ainda mais rígidos, mas o imperialismo se viu obrigado a recuar com suas políticas pelo menos parcialmente em alguns países devido à intensificação da crise econômica e o aumento das mobilizações populares diante da situação.

Neste sentido, a eleição e o governo de Luis Arce devem servir como uma política de compromisso, já que não houve alternativa devido à situação à qual a Bolívia (não somente a Bolívia) se encontra. Como destacou Rui,

 “o governo Arce é um governo de compromisso entre as vítimas do golpe e os golpistas, só que intermediado por elementos de confiança dos golpistas. O Arce, ele não é a volta do Evo Morales. Tudo bem, o Evo Morales fez um acordo para a volta do Arce porque ele considera que é mais favorável o Arce do que os golpistas logicamente, pra ele. Mas esse acordo é um acordo instável”.

Este acordo, ou seja, o governo de Arce é instável porque o imperialismo colocou nas mãos da ala mais direitista do MAS o enfrentamento da crise econômica e social da Bolívia que é muito grave, o que é muito difícil, e isso pode levar a um novo levante político da direita no país.

Em contrapartida, a situação revelou que a crise na Bolívia não deverá se resolver apenas pelas vias institucionais ou pelas eleições, ou seja, a situação deve se intensificar pelos dois lados, tanto pela direita e o imperialismo como também pelos trabalhadores que tendem a se rebelar ainda mais, uma maior polarização tende a acontecer no país.

Peru e o impeachment de Martín Vizcarra

Outro acontecimento de grande importância política na América Latina que ocorreu nesta última semana foi o impeachment de Martín Vizcarra, presidente do Peru. Rui Costa Pimenta analisou  o verdadeiro caráter deste episódio, afirmando que

o que aconteceu no Peru foi um golpe de estado branco, assim como aconteceu no Brasil, um impeachment inventado, não há nem provas, nada, o próprio presidente falou que não há nenhuma prova de nenhum envolvimento dele”.

O impeachment de Vizcarra foi mais um golpe muito semelhante àqueles que já vimos anteriormente na América Latina, como por exemplo, no próprio Brasil. Vale ressaltar que nas outras eleições, o governo peruano que foi eleito acabou sendo pressionado e após a eleição o presidente foi preso.

O governo eleito após esse acontecimento é um governo de direita, mas para se analisar a questão do Peru, deve-se atentar ao Fujimorismo. O Fujimorismo no Peru seria uma espécie de bolsonarismo institucional que se criou quando o imperialismo e a burguesia deram o aval para que Alberto Fujimori pudesse combater a guerrilha do Sendero Luminoso, uma guerrilha de esquerda, em que seu líder, Abimael Guzmán, com mais de 80 anos, está preso até hoje sem nenhum amparo em questões de saúde e às suas condições de vida. Essa foi uma ditadura completamente sanguinária disfarçada de democracia, e nas últimas eleições o fujimorismo acabou se recuperando e assim está tentando acabar com esses governos. O que precisa ser analisado ainda é que se esse episódio é ou não apoiado pelo imperialismo, mas não há dúvidas de que se trata de mais um golpe de Estado da direita, se aproveitando de um governo muito mais fraco e sem apoio, afinal a esquerda não apoiou o governo e inclusive se aliou ao fujimorismo em diversas questões.

A eleição de Joe Biden e o que esperar de seu governo

O fato mais importante e comentado na política internacional na última semana foram as eleições dos Estados Unidos e a vitória de Joe Biden. De primeiro momento, a reação de Trump com o resultado das eleições gerou uma crise gigantesca no país, e ao contrário do que a grande imprensa, apoiadora de Biden, fez parecer, Trump não está isolado, e até mesmo o presidente do Senado já sinalizou apoio a Trump e a seu processo de investigação de fraudes nas eleições, e ele não foi o único. Cerca de 78% do partido republicano declarou apoio a Donald Trump, além de governadores, como por exemplo na Geórgia, estado tradicionalmente republicano, em que o governador acabou demitindo os integrantes do seu governo responsáveis pelas eleições no estado.  Isso mostra a tendência à ampliação da crise e as eleições dos Estados Unidos estão longe de terminarem.

Outro fator desestabilizador é que a crise no partido democrata já começou. A ala progressista do partido já sinalizou para a parte direitista, a ala de Joe Biden, Kamala Harris, Hillary Clinton e Barack Obama que não irão aceitar acordos com democratas nem com representantes de grandes corporações e do sistema capitalista, o que pode levar a um verdadeiro racha dentro do partido, já que Biden já sinalizou o caráter reacionário do seu governo. Essa é uma grande ilusão da ala progressista do partido. Como destacou Rui,

 “os progressistas estão achando que eles têm o poder de controlar o governo direitista, ultra direitista, diga-se de passagem, do Biden”.

Outro fator que devemos analisar nas eleições dos Estados Unidos é a dificuldade em que o imperialismo teve para derrotar o governo Trump que tinha pouquíssimo apoio. A votação foi extremamente dividida, a diferença entre Biden e Trump foi de apenas 4 milhões de votos, e isso revela também o caráter dos votos que cada um recebeu e também sobre a fragilidade do próximo governo:

“Ele é frágil porque o sistema político norte americano está dividido, o voto de Trump é um voto de protesto contra o sistema político, uma boa parte dele, o voto de Biden é um voto sem convicção, de gente que vai rapidamente se indispor com Biden dependendo da política que ele traz, então tudo isso aí mostra um cenário de crise… o voto em Trump não é um voto ideológico de extrema direita, assim como o de Bolsonaro. Bolsonaro tem aquele núcleo de extrema direita, mas ele ganhou a eleição com voto disperso, um voto meio sem identidade política… muita gente que vota em Trump está votando contra o tradicional sistema imperialista norte americano, que levou o país a uma situação de crise semelhante à crise da década de 1930.”

Com a premissa de que a vitória de Biden seria uma vitória contra a extrema direita, uma grande parcela da esquerda, principalmente no Brasil, além da grande imprensa dos Estados Unidos, colocou as eleições como se a disputa ocorresse entre a “chapeuzinho vermelho e o lobo mau”, mas a realidade é que Joe Biden representa o que há de pior na política mundial:

“Biden pode parecer simpático aqui no Brasil, o pessoal não conhece ele também, mas nos Estados Unidos o pessoal acha que isso é a pior coisa que existe no mundo”

Joe Biden não representa progressismo, muito menos nada de novo na política internacional, na verdade estamos lidando com o mais puro representante do neoliberalismo e das políticas imperialistas, tradicionais nos Estados Unidos. Tanto Biden quanto Kamala Harris, sua vice negra usada demagogicamente com os identitários, representam políticas genocidas e as suas fichas criminais contra os trabalhadores são extensas. Devemos lembrar que Joe Biden foi vice presidente de Barack Obama, até então um político nada sólido para assumir o país, enquanto isso, Joe Biden, já prestigiado nos círculos capitalistas, de Wall Street à CIA, entre tantos outros aparelhos do imperialismo, comandou verdadeiramente as políticas internacionais de guerras e golpes que marcaram o governo de Barack Obama, inclusive o golpe de Estado no Brasil contra a presidenta Dilma Rousseff foi fruto das políticas de Joe Biden. Biden representa o que há de mais sujo na política, e está no mesmo lado de pessoas como os Clinton, os Bush, entre tantos outros genocidas que derramam sangue dos trabalhadores mundo afora.

Muito se questiona sobre como deverá ficar a situação das populações mais oprimidas no país agora com o governo Biden/ Harris, como se algo fosse realmente mudar, mas isso também é outra ilusão. Devemos lembrar que Kamala Harris foi responsável por várias condenações de morte de negros no país, e enquanto a mesma usa da demagogia de “representatividade” para a população negra, o país segue com 37% da população carcerária de negros para uma população total de apenas 15% de negros no país. Quanto aos imigrantes, devemos lembrar que o governo Obama deportou muito mais imigrantes que o governo Trump, e a política de internacionalização da produção, típicas do neoliberalismo que Biden segue, devem ser também muito prejudiciais tanto para americanos e ainda mais para imigrantes. Ainda sobre os crimes de Biden contra os trabalhadores devemos destacar também as suas políticas de encarceramento, afinal ele foi o responsável pela Lei de encarceramento no país, onde as penas para crimes leves foram aumentadas colocando mais pessoas ainda dentro das prisões, alguns até mesmo condenados a prisão perpétua.

É ilusão esperarmos que a eleição de Joe Biden seja algo positivo para os próprios Estados Unidos e também para o resto do mundo, afinal o mesmo representa aquilo que há de pior na política mundial, onde na realidade devemos aguardar é que a crise se intensifique no país, pois somente uma crise no coração do imperialismo pode representar algo bom para as populações oprimidas pelo imperialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas