Rui Costa Pimenta: “a esquerda esqueceu completamente do golpe de estado”

rui1-e1494705230231

Transcrevemos abaixo um trecho da análise política da semana, no qual o companheiro Rui Costa Pimenta, presidente nacional do Partido da Causa Operária, aborda a ilusão eleitoral da esquerda diante do aprofundamento do golpe de estado no país.

“Nós estamos em um golpe de estado, o Toffoli foi obrigado a colocar um militar ao lado dele e o pessoal acha que estamos na maior normalidade, a tal ponto que o pessoal esta indo na passeata convocada pela Rede Globo, “Ele não”. Nós estamos vivendo em uma situação muito complicada, os militares tomaram conta da situação e toda a direita está tranquila. Nas eleições anteriores, quando estava lá a Dilma em primeiro, o Aécio em segundo, a bateria de criticas contra o PT era uma coisa inacreditável, agora ninguém fala nada. Agora, o que é mais espantoso é o pessoal achar que a campanha contra o Bolsonaro é uma campanha a favor do PT. Uma parte da esquerda não percebe nada porque nunca lutou contra o golpe, outra parte, que está dentro do PT, acha que o golpe virou fumaça, o pessoal está vivendo fora da realidade. Nós temos duas possibilidades, uma é que a direita vai ganhar a eleição, e a outra que se a direita não ganhar a eleição vai recuperar o poder por fora das eleições. E a esquerda esta se mobilizando contra o golpe, para lutar contra isso, não. Uma parte da esquerda que esta participando da mobilização de hoje, “Ele não”, acha que de fato esta derrotando o fascismo. É preciso destacar que a própria candidatura do Bolsonaro demonstra uma propensão da classe média, da burguesia à extrema direita. O bolsonarismo tem uma influencia relativamente grande nas forças policiais e militares, e pode servir como uma base de opinião, de mobilização para uma saída de força no regime politico e, enquanto isso, a esquerda esta nesta festa eleitoral, com se o voto fosse resolver todos os problemas. Como que o voto resolve todos os problemas até hoje eu não entendi.  Mesmo que eu não conhecesse nada de politica, se eu tivesse nascido há quatro anos atrás, já teria visto um governo eleito pelo povo ser retirado do poder como quem retira uma laranja em um galho de arvore. Por que que a gente vai acreditar, agora, que o voto tem um papel totalmente diferente daquele momento. Não dá nem para acreditar nisso aí.”

A Análise Política da Semana acontece todos os sábados às 11:30 da manhã. Você pode acompanhar pela Causa Operária TV.