Menu da Rede

Permanência de Duque coloca Colômbia sob impasse

Ruanda: saiba como um banco francês financiou um dos maiores genocídios da humanidade

Vinte e cinco anos depois do genocídio de Ruanda, o jornal francês Le Monde, através da investigação do jornalista David Servenay, começou a divulgar alguns dos agentes que financiaram as milícias hutus responsáveis por matar um milhão de pessoas.

Dentre os financiadores do genocídio está o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial (BIRD) e banco francês BNP. Certamente há mais agentes do imperialismo francês envolvidos, já que é o maior beneficiário da guerra geopolítica contra a Alemanha e a Bélgica que controlavam a região através dos Tutsis.

A região do Ruanda foi delimitada nas conferências de Berlim (1895) e de Bruxelas(1890) e posta sobre domínio do Império Alemão. Após a derrota da Tríplice Aliança na 1° Guerra Mundial, o território passou a ser domínio do Belgas. Mesmo após a derrota os alemães continuaram a exercer influência sobre o Ruanda.

A Bélgica usou da igreja católica para exercer o domínio sobre a região, delimitando artificialmente duas supostas etnias no país, Os tutsis, que teriam traços mais europeus, uma minoria, e os hutus, a maioria do país. Os primeiros foram postos em altos cargos políticos e administrativos dentro do país, criando assim uma tensão entre os dois campos estabelecidos pelos belgas. O conflito foi se acentuando até que em 1962, os hutus conseguiram reverter o panorama político. A tensão continuou acirrada e muitos tutsis fugiram para outros países.

Em 1987, criaram a Frente Patriótica Ruandesa (RPF), em Uganda, e organizaram ataques armados ao governo até que em 1992, na Tanzânia, as duas partes assinaram um cessar fogo “mediado”pela ONU, que estabeleceu provisoriamente um governo composto por tutsis e hutus .

Em 1992, um grupo denominado Akazu começou a organizar uma milícia paramilitar para enfrentar os tutsis. A burguesia hutu arrecadou dinheiro internamente através de relocamento de verbas estatais e empresas privadas, como por exemplo a empresa de fósforo Sorwal.

No plano internacional, a Alemanha e a Bélgica, através da ONU, começaram a isolar economicamente o governo ruandense enquanto apoiavam a RPF. A França, que sempre manteve uma forte presença no domínio político da África, furou o bloqueio enviando dinheiro para o governo através do banco francês, o BNP. O banco financiou o treinamento que o exército ruandense fez clandestinamente do Interahamwe, grupo de paramilitares hutus, assim como o abastecimento desses grupos.

O FMI e o BIRD também enviaram somas astronômicas para o país, sob o pretexto de ajudar o desenvolvimento da agricultura. Constava nos relatórios que o dinheiro ia para a compra de machetes e outros instrumentos de corte, usados na agricultura, só que tais instrumentos eram usados para os confrontos.

Em 1994, o então presidente do país, Juvénal Habyarimana, foi assassinado, seu avião foi abatido por dois mísseis solares. A culpa logo caiu nos tutsis entoando o início de um dos maiores genocídios que o mundo já viu. No espaço de 3 meses, 1.000.000 foram assassinada, entre elas estavam obviamente os tutsis, mas também estavam hutus “moderados” que eram contra a perseguição dos Tutsis e vice-versa.

Durante o conflito, houve a presença de tropas francesas no sudoeste do país tentando manter o controle da situação altamente explosiva, que eles mesmo geraram.

Em suma, na disputa política de um dos países mais pobres do mundo, o imperialismo francês injetou milhões para superar a dominação belga e alemã. Enviaram tropas para controlar a situação e financiaram o treinamento da extrema-direita.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.