Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Como é de costume, a Guarda Municipal, bem como a Brigada Militar, agem, em suas abordagens, de forma truculenta e repressiva. Agridem, física e verbalmente, torturam e matam, trabalhadores, estudantes, militantes, etc. Suas ações são um verdadeiro show de barbáries e ilegalidades. Aliás é importante ressaltar que seguir a Constituição é algo que foge, diariamente, os atos dessas organizações de guerra contra o povo trabalhador.

Na noite do dia 20 de fevereiro de 2018, 7 militantes foram detidos pela Guarda Municipal de Porto Alegre, RS, sendo violentamente abordados pela Guarda Municipal e pela Brigada Militar por estarem colando cartazes contra a prisão de Lula no centro da cidade. Um dos companheiros, que não estava praticando o ato da colagem no momento da chegada das viaturas, estando, após ir ao seu carro, um pouco mais afastado do restante, assim que visualizou a ação repressiva da polícia, começou a filmar e fotografar a ação da corja fascista.

O simples ato de filmar e fotografar a ação já foi suficiente para que o companheiro fosse abordado e conduzido à delegacia, junto aos demais. Deve-se, porém, olhar com atenção o acontecimento. A BM tentou, por via de ameaça de agressão física, conduzi-lo a delegacia, obrigando-o a, imediatamente, entregar-lhes seu celular. Ele resistiu e tentou conversar. Mas como é sabido, fascistas não sabem dialogar. Não obtendo sucesso e com a truculência cada vez maior dos brigadianos (que, naquele momento, já apontavam armas de taser para ele), o camarada, em situação nervosa, correu, na tentativa de fugir dos disparos e, consequentemente, da agressão.

Poucos metros dali, em uma rua ao lado, foi rendido pela corja fascista, que disparou, pelo menos 4 vezes, o taser, além das agressões físicas, tais como chutes e pontapés. O militante, que já possui alguns problemas cardíacos e circulatórios, decorrentes de sua idade um pouco mais avançada, após a sessão de tortura, enquanto era conduzido à delegacia, sentiu-se mal, apresentando sinais de queda brusca de pressão, desmaios e dores muito fortes.

Mesmo após todo processo de condução ao hospital, liberação da delegacia, sob fiança, e sendo processado, o companheiro seguiu apresentando debilidades em função da tortura policial. Foi liberado sem conseguir caminhar, sentindo fortes dores pelo corpo. Os danos causados pela ação tortuosa dos brigadianos se estendeu. O militante apresentou quadro de trombose na perna mais atingida pela agressão, apresentando, consequentemente, embolia pulmonar, que agravou bastante seu quadro.

O companheiro segue internado no Complexo Hospitalar da Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre, sem previsão de melhoras no quadro. Precisou se afastar de seu trabalho, das suas obrigações familiares e sua condição de saúde encontra-se bastante debilitada.

Importante ressalvar que não houve crime. Não houve infração cometida pelo companheiro. Houve tortura, repressão, violência física e psicológica por parte da polícia –fascista-. Houve danos que prejudicaram a saúde e a vida do militante.

Este foi um ato criminoso, cometido pela Brigada Militar, deixando claro o teor político da perseguição. Assim como os demais camaradas que foram abordados, ele foi torturado por apresentar oposição ao golpe e aos interesses da burguesia. A Instituição, que se refere a si própria, como cumpridora das leis, é aquela que cumpre, exclusivamente, ordens burguesas, defendendo apenas seus interesses.

Assim como o caso que aconteceu com a militante do PSOL, Marielle Franco, nesta semana, o militante foi perseguido por sua atuação direta contra a direita golpista. Atos como esse, cometidos aos companheiros, é parte do aprofundamento do golpe de Estado e da intensificação da intervenção militar. Casos que tendem a acontecer com frequência cada vez maior. Abordagens cada vez mais truculentas, agressões mais intensas.

Não se pode melindrar mediante aos acontecimentos e ao cenário político. É preciso lutar contra a prisão política de Lula, pelo direito de ele ser candidato. Contra a perseguição a esquerda e seus militantes. Lutar contra o golpe e contra a intervenção militar. Pela derrubada total desta instituição fascista e criminosa que criminaliza e ataca, violenta e diretamente, dia após dia, o povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas