Fraude à vista!
Acredite se quiser. No meio da pandemia e em pleno inverno o Rio Grande do Sul “registrou” menos mortes em julho quando comparado com os dois anos anteriores.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
49672583336_86897868e8_c (1)
Em março o governador Eduardo Leite (PSDB) já havia entregue a gestão da crise na mão dos militares. | Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

A imprensa capitalista gaúcha saiu a campo comemorar a queda milagrosa no número de óbitos no Rio Grande do Sul durante o mês de julho em comparação com os dois anos anteriores.  Mesmo no período mais crítico da pandemia no estado que tem temperaturas negativas, o que, portanto, colabora com a disseminação do vírus, os Cartórios registraram uma queda significativa dos registros.

Teriam sido apenas 9.191 óbitos, quando consideradas todas as causas, no mês de julho de 2020. Já em 2018 e 2019, quando a Covid-19 não existia, os números teriam sido ligeiramente superiores, chegando a 9.287 e 9.520 óbitos registrados.

A própria matéria acaba mostrando a curiosidade do fato: “A estatística gaúcha, de redução, vai na contramão do Brasil: no país inteiro, julho de 2020 foi o mais letal da série histórica desde 2003, com 134.612 óbitos. O recorde negativo nacional, em comparação com os 119.872 mortos de 2019, foi alcançado por conta do impacto da covid-19”.

Esses dados são obtidos por meio de um portal mantido pelos Cartórios do Registro Civil, gerido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen). A série histórica de 2003-2018 tem origem no IBGE que utiliza a mesma fonte. Ou seja, são dados facilmente manipuláveis para que sirvam aos interesses econômicos do momento.

Teriam morrido no Rio Grande do Sul de Covid-19 durante o mês de julho apenas 1.349 pessoas. A contagem por sua vez já é acima daquela realizada pela Secretaria Estadual de Saúde que não contabiliza as mortes por “suspeita de Covid-19”. A distorção inicia-se, portanto já entre os organismos públicos.

Os cartórios simplesmente passaram a registrar menos óbitos por pneumonia, com 681 registros a menos nesse ano. Caíram também os registros por insuficiência respiratória, septicemia (infecções), acidente vascular cerebral (AVC), infarto e outros registros por causas naturais, (câncer e diabetes, por exemplo).

A queda milagrosa de 1.735 óbitos a menos em comparação com 2019 é o trunfo da imprensa paga utilizado para justificar que as 1.349 mortes por covid-19 acabam sendo irrisórias e que, portanto não há perigo em retomar as atividades econômicas.

A picaretagem é inclusive defendida pelo Vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), Eduardo Trindade que diz haver “uma menor circulação de pessoas” e que isto teria propiciado “um menor contágio por síndromes respiratórias e outras pneumonias virais e bacterianas”. Para ele “as pessoas estão entrando menos em contato com os patógenos e desenvolvendo menor número de doenças respiratórias”. Em outras palavras, a pandemia está sendo irrelevante.

Na prática, trata-se de mais uma fraude do golpista Eduardo Leite (PSDB), outro um cabo eleitoral de Bolsonaro, que tenta passar uma impressão de normalidade no seu governo. A mensagem que a imprensa capitalista quer passar em seu favor é: “o vírus não mata, podemos reabrir sem problemas”.

Fica nítido que os governadores outrora “científicos” e defendidos anteriormente com entusiasmo pela esquerda pequeno-burguesa estão levando adiante uma política tão genocida quanto à de Bolsonaro, e que deve ser combatida com uma grande mobilização popular por Fora Eduardo Leite e Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas