RS: Bolsonaristas ameaçam negros, gays e criança com síndrome de down em escola; é preciso combatê-los

nazi

Da redação – Os bolsonaristas estão em uma política de ataques contra toda a população. Além das diversas manifestações contra mulheres, gays e negros, no Rio Grande do Sul, uma menina com síndrome de Down também foi judiada pela a extrema-direita.

Um bilhete escrito: “Negro na Senzala, Gay no Armário e Retardado na Apae, B17”. Fica explícito então o caráter destes grupos que apoiam Bolsonaro. Essa política contra negros, homossexuais e “retardados” (e pessoas com deficiência no geral) era a política exercida pelos nazistas, que exterminavam todos esses grupos.

O bilhete foi encontrado na bolsa de uma menina de 8 anos com síndrome de Down, pela mãe. A polícia disse que irá investigar. Mas como ficou claro com o caso da mulher que foi cortada no RS, a polícia faz parte do núcleo bolsonarista.

Por isso, a única solução é a formação de comitês de luta contra o golpe nas escolas. Deve-se descobrir o responsável e colocá-lo em seu lugar. As ameaças contra o povo devem cessar, é preciso esmagar o fascismo. Chutar a cabeça da serpente e quebrar seus ovos enquanto ainda há tempo.