Governo reacionário
O governo Bolsonaro é inimigo da cultura, destruindo tudo o que faz parte dela, pois o próprio é um ignorante, símbolo do atraso
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cinema_II (1)
Foto por Beto Monteiro / Secom UnB. |

Mais um setor se posiciona contra o desgoverno de Bolsonaro, agora a ABRA – Associação Brasileira de Autores Roteiristas saiu em repudio aos últimos acontecimentos de desmonte da cultura, em especial a indústria cinematográfica. Como a nomeação do quinto secretário de Cultura desse governo, o ator Mario Frias, que não é um grande nome para representar o setor da arte e da cultura, pois não passa de um mero funcionário da emissora Globo e faz do seu trabalho algo comercial, o que não é arte.

Assim como a Regina Duarte que antecedeu esse cargo e agora pretende assumir a Cinemateca, que já vem sendo sucateada desde o golpe de 2016, mostrando aí, o verdadeiro interesse do governo Bolsonaro com esse nicho que movimentava R$ 25 bilhões por ano no país e agora está sendo esmagado pela direita que está o poder e assim como o próprio Bolsonaro que à representa, não têm apreço nenhum, como bons ignorantes que são, pela arte, pela cultura, assim também pela ciência e pelo trabalhador em si, esses que sustentam na realidade este país.

A ABRA –Associação Brasileira de Autores Roteiristas– nesta quinta-feira, dia 21, entregou um manifesto contra o desmanche da indústria audiovisual brasileira que dizia:

“A ABRA – Associação Brasileira de Autores Roteiristas repudia a paralisia do setor cultural, em especial o desmonte da indústria audiovisual, responsável por mais de 300 mil empregos e que representa 0,5% da economia do país.

Enquanto o mundo reconhece a importância da arte nesse momento e acolhe os artistas, trabalhadores e produtores culturais atingidos pela pandemia, no Brasil somos alvo de reiterados ataques e desmandos.

Para além da falta de apoio em meio à crise, sofremos há quase 17 meses nas mãos de gestores incapazes de conduzir a Secretaria de Cultura.

Desconhecemos as credenciais que qualificam o ator Mario Frias para o cargo, bem como a capacidade de Regina Duarte administrar o acervo da Cinemateca.

Causa especial espanto que, ao anunciar a troca de comando do setor, o presidente tenha dado destaque aos benefícios para a vida pessoal da ex-secretária em detrimento do desenvolvimento da nossa Cultura e dos interesses da nossa sociedade.

A ABRA, em nome de mais de 500 autores roteiristas, de todos os estados do Brasil, cobra dos três poderes da República que se cumpram as leis e regulamentos do setor, que respeitem nosso trabalho, nossas empresas e nossas instituições e que façam valer o que determina o Artigo 5º da Constituição de 1988:

“O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais”.

Carolina Kotscho
presidente

ABRA – Associação Brasileira de Autores Roteiristas”

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas